Nesta sexta-feira, 19, o clima fechou na Câmara dos vereadores de São Paulo. De acordo com informações da 'Folha de São Paulo', um ativista conhecido como Fernando Holiday, que apoia o Movimento Brasil Livre (MBL) e é candidato pelo Democratas a vereador, acabou preso após protestar durante uma sessão em homenagem ao ditador #Fidel Castro, que completou noventa anos nessa semana. Ele rasgou um cartaz que estava estendido no local e disse que Fidel era um assassino. "Fora comunismo", gritava o homem. Segundo o jornal paulista, após o protesto, Fernando Holiday foi levado para uma delegacia da região, onde presta depoimento. 

A homenagem polêmica foi ideia de um representante do Partido Comunista do Brasil, Jamil Murad.

Publicidade
Publicidade

O vereador discursava, quando o integrante do grupo que ajudou nas manifestações contra a presidente afastada Dilma Rousseff mostrou sua revolta O momento em que Fernando rasga o cartaz foi transmitido ao vivo pela internet. Antes de realizar o ato, ele já havia avisado aos internautas que impediria a homenagem polêmica. Após arrancar um cartaz com o rosto do ditador cubano, Holiday foi contido pela Guarda Civil Metropolitana. O link ao vivo da #Manifestação feita pelo MBL também foi obrigado a sair do ar. 

"Resolvi fazer alguma coisa contra aquilo, já que se trata de um ditador", contou o integrante do Movimento Brasil Livre antes de sair correndo, gritando e dizer que Fidel Castro era um assassino. O episódio acontece na semana que o irmão de Fidel, Raul Castro, fez um discurso pedindo apoio às forças bolivarianas para fazer o que ele chama de restabelecer a democracia no Brasil.

Publicidade

Apesar da grande abertura com o mundo capitalista, tento até o aeroporto de Havana privatizado, Cuba é considerada ao lado de países como a Venezuela um dos países mais comunista do lado ocidental do planeta. 

O vereador que realizada a sessão disse que chamou a guarda para deter o manifestante exaltado. Veja abaixo o vídeo que mostra o momento da confusão na Câmara dos vereadores de São Paulo e opine sobre o que aconteceu:

#Eleições 2016