O possível #Impeachment de #Dilma Rousseff está mexendo com toda a sociedade brasileira. Nesta segunda, Mariana Ximenes, a Tancinha da novela "Haja Coração", da #Rede Globo de Televisão, usou o seu Twitter pessoal para condenar o possível afastamento definitivo da presidente da República. Para a atriz, independente da corrente política, não se pode querer acabar com a democracia de um país que prima pela liberdade do cidadão em fazer as suas escolhas.

"Para ser contra o impeachment não precisa ser de esquerda ou direita, basta ter dignidade, amor ao país e à DEMOCRACIA!", digitou a artista, ressaltando, inclusive, que muitos daqueles que acusam Dilma são suspeitos de atos de corrupção e pedindo uma posição mais firme do cantor Chico Buarque, que está presente à audiência no Senado Federal, na qual será decidido futuro de Dilma.

Publicidade
Publicidade

"Dos 81 senadores que estão julgando a Dilma, 49 estão sendo investigados! Como levar a sério um processo de Impeachment desse? Chico Buarque além de excelente artista, tem amor ao país e à Democracia! Posicione-se Chico", complementou.

No último dia 12 de maio, foi aberto o processo de impeachment contra Dilma Rousseff por conta de supostas irregularidades na lei orçamentária, quando autorizou, entre julho e agosto do ano passado, despesas extras de R$ 2,5 bilhões, mesmo ciente de que o gasto era incompatível com a meta fiscal. Desde então, o Brasil vem sendo governado por Michel Temer, para o qual Mariana Ximenes não poupou severas críticas.

"Enquanto isso, Michel Temer, mais sujo que pau de galinheiro, assiste tudo de camarote! Que vergonha! Viramos piada no cenário internacional. Um capítulo vergonhoso da história do Brasil! Vai além de ser de direita ou esquerda! O que está em jogo é a nossa democracia", reforçou a atriz.

Publicidade

Além de Mariana Ximenes, Letícia Sabatella, Osmar Prado, Sônia Braga e vários outros artistas já demonstraram ser contra o impeachment de Dilma Rousseff, alegando que seria uma ilegitimação dos mais de 54 milhões de votos recebidos pela presidente nas últimas eleições.

A expectativa é de que uma decisão aconteça até a madrugada da próxima quarta. Para não ser afastada definitivamente da Presidência da República, Dilma Rousseff deve evitar que 54 dos 81 senadores aptos não votem a favor de seu impeachment.