#Marcelo Freixo deve ficar fora do primeiro debate eleitoral na Televisão aos que disputarão à prefeitura do Rio de Janeiro. O debate está marcado para acontecer na TV Bandeirantes. O motivo para a não participação do candidato do PSOL está relacionado com o nome de Flávio Bolsonaro, do PSC. Inicialmente, ele havia aceitado a presença do candidato de esquerda, que é contra a saída da presidente afastada Dilma Rousseff do poder, mas depois acabou mudando de ideia e Freixo pode ficar sem a tão especial participação especial em um canal televisivo. 

Segundo o jornal Extra, nesta quarta-feira, 17, houve uma reunião na emissora em que ficou acertado que Marcelo não iria.

Publicidade
Publicidade

Além do filho de Jair, conhecido pelas suas polêmicas opiniões e por ter citado o General Brilhante Ustra durante a votação do impedimento de Dilma na Câmara dos deputados, também participaram da reunião Índio da Costa, do PSD e Pedro Paulo Carvalho, do PMDB. A disputa eleitoral no Rio de Janeiro deve ser uma das mais disputadas do país. Por conta da rejeição de políticos, não há nenhum nome realmente favorito. 

Mais um motivo para que a presença do candidato do PSOL ser tão esperada. A TV Bandeirantes apenas está seguindo a nova legislação eleitoral. Essa coloca que os candidatos tenham cadeiras mínimas na Câmara Legislativa para poderem ter espaço na televisão. A lei é uma maneira de impedir que muitas pessoas apareçam em um debate e atrapalhe o andamento de um programa televisivo.

Antes da lei, havia uma negociação na qual ficava a cargo da emissora e dos partidos decidir quantas pessoas participariam.

Publicidade

Para isso, eram utilizadas as pesquisas eleitorais. O filho de Jair surpreendeu com o porquê de não deixar seu rival participar do debate na TV Bandeirantes. "Minha posição é de igualdade para todos. Não posso dar voto só para o Freixo participar porque seria injusto com os outros que ficariam de fora", disse o candidato que tenta dar mais participação ao partido do pai no Rio. O PSC tenta crescer em todo o país.  #Flávio Bolsonaro