O Brasil decidiu fazer um "guerra" política contra a #Venezuela. Neste sábado, 13, o Ministro das Relações Exteriores, José Serra, do PSDB, decidiu enviar uma carta aos chanceleres que integram o Mercosul na qual faz veementes críticas ao governo do presidente Nicolás Maduro. De acordo com o texto escrito por Serra, a Venezuela descumpriu a sua parte de uma das regras para participar do bloco econômico. O Ministro teve o apoio do presidente em exercício Michel Temer, do PMDB, que já chegou a escrever uma carta diplomática após a Venezuela dizer que o processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT), seria um golpe de estado. 

De acordo com o texto do tucana, o país vizinho do Brasil acabou não cumprindo no prazo vários compromissos com o Brasil.

Publicidade
Publicidade

#José Serra prossegue a carta dizendo que penalidades, que ele chama de "consequências", devem ser feitas contra a pátria de esquerda e que apoia Dilma. O Ministro pede a ajuda de entidades internacionais para essas penalidades, dizendo que deve se prevalecer o que foi considerado como ordem política. Além disso, o representante da pasta que envolve o Itamaraty diz também que o problema no cumprimento de contratos políticos não é o único descumprimento da Venezuela, que também deveria ser vetada do Mercosul por questões políticas. O país vive uma das maiores crises econômicas de sua histórias. Muitos venezuelanos chegam a cruzar a fronteira atrás de comida. 

O texto chega ao final de forma extremamente surpreendente, quando o Ministro do Governo de #Michel Temer não só diz que é solidário as intempéries contra a população venezuelana como também fará tudo o que for possível no trabalho pelo  “restabelecimento da democracia” naquele país.

Publicidade

De acordo com informações do site do jornal 'O Estado de São Paulo', fontes ligadas ao Itamaraty garante que a reclamação de Serra leva em consideração, até mesmo, a questão da realização de reuniões do grupo, que tendo a Venezuela como presidente precisaria ter reuniões na região, que vive quase uma guerra civil.