Depois que Dilma participou de um encontro com universitários da Universidade Federal do ABC, ela conquistou um grupo de intelectuais e artistas estrangeiros. Com isso eles escreveram, hoje (24), uma carta em que protestam o #Impeachment. Com os estudantes como seus aliados e unidos também ao apoio público nos Estados Unidos, a presidente afastada segue com mais esperança no julgamento.

A carta escrita em português e inglês diz que eles fazem parte de um grupo que lutam por justiça e democracia no país inteiro, se solidarizando assim aos colegas artistas. Além disso, o texto mostra também que a base jurídica em relação ao afastamento da ex-presidente do Brasil é muito questionável.

Publicidade
Publicidade

Na carta, eles alegam que há evidências que comprovam que os promotores tiveram como principal motivação, abafar as investigações sobre corrupção, onde eles mesmos estão envolvidos e assim prosseguiram com o impeachment.  

Abaixo-assinado a favor de Dilma

Nomes famosos como o do cantor Harry Belafonte, do cantor Viggo Mortensen, o cineasta Oliver Stone, do diretor Danny Glove e do músico Brian Eno estão na lista dos que assinam esse manifesto. Além deles, uma personalidade também chama a atenção ao ser contra o impeachment.

Bernie Sanders, senador que perdeu o posto presidencial democrata para Hillary Clinton, fez um comunicado no início desse mês, onde informou que o processo contra Dilma está mais com cara de “golpe de Estado”. E para completar, ele ainda solicitou ajuda do governo dos Estados Unidos para que vá contra o julgamento.

Publicidade

 

Apelo aos senadores

Os artistas envolvidos apelam para que os senadores selecionados para votarem no julgamento de Dilma, passem a respeitar as eleições em 2014. Eles ainda fazem um alerta para prováveis riscos regionais, no caso de aprovação, onde afirmam que repercutirá negativamente para toda a região.

Além dos artistas, nos Estados Unidos há um grupo de organizações afirmando que o risco é grave sobre a democracia brasileira. O julgamento final começa nesta quinta-feira no Senado, com a participação das testemunhas. #Dilma Rousseff #Eleições 2016