A manhã e início da tarde de discussões do #Impeachment foram marcadas por momentos impactantes. A advogada de acusação, Janaína Paschoal, chorou na tribuna e desculpou-se com Dilma, não por fazer o processo do impeachment, mas pelo sofrimento que, involuntariamente, causou para a presidente afastada.

Janaína também disse que espera que um dia Dilma possa compreendê-la e entender que o impeachment foi pelo bem de seus netos. As palavras da advogada, contudo, não agradaram o advogado de defesa, que acabou chorando com a declaração.

Para José Eduardo Cardozo, não se usa a família em uma justificativa de julgamento e pedido de condenação, do qual, a ré, segundo palavras do advogado, é inocente.

Publicidade
Publicidade

Cardozo estava acompanhado de Lindbergh Farias na saída para o almoço, que aconteceu por volta das 13h. Cardozo viu na declaração da acusação, grande injustiça com a presidente afastada.

Veja o vídeo em que Cardozo chora em uma entrevista:

Dilma não retornará para a presidência da república, diz líder do PT

Mesmo com mais de 14 horas de interrogatório, o próprio líder do Partido dos Trabalhadores no Senado Federal, Humberto Costa, admite que não tem como Dilma ser absolvida no processo do impeachment. Para ele, a absolvição só seria possível se houvessem senadores indecisos, mas todos já definiram os seus votos e aqueles que ainda não os declararam, o fazem, unicamente, por uma estratégia política.

Já prevendo um resultado negativo, Luís Inácio Lula da Silva se reuniu com deputados e senadores uma semana antes do julgamento, para pedir que eles se unam para ser oposição ao governo de Michel Temer.

Publicidade

O ex-presidente da república pediu que eles barrem todos os projetos do governo de Temer que sejam contrários aos ideais defendidos pelo partido.

Embora tenham recebido orientação do maior líder do partido, tanto os senadores, quando os deputados do partido dos trabalhadores, se encontram em menor número nas duas Casas. Além disso, muitos partidos que fizeram parte da base de governo de Dilma, romperam com o PT após o escândalo da gravação que mostrava Dilma combinando a posse repentina de Lula, como ministro da Casa Civil, para que ele se livrasse da prisão. Tais rompimentos deixaram o partido isolado, recebendo apoio de dois partidos com pequeno número de eleitos: PSOL e PCdoB. #Julgamento do Impeachment #Senado Federal do Brasil