O Coronel Gondim usou as redes sociais para fazer apelo à família de Ciro Gomes. O ex-governador do Ceará, de acordo com o representante da Polícia Militar, precisaria ser internada com urgência em um clínica especializada em viciados em drogas. A informação foi dada nesta quarta-feira, 03, por um dos maiores blogs políticos do país, o 'Cristal Vox'. Segundo a matéria, Gondim teria argumentado que o companheiro do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva "já não é mais a mente brilhante que" ele conheceu e tanto admirou. Ciro é um dos mais prováveis nomes políticos que possam disputar pelo Partido dos Trabalhadores (PT) à eleição no lugar de Lula pelo cargo de presidente do Brasil em 2018.

Publicidade
Publicidade

Representando o PDT, Ciro disse que só disputaria caso Lula realmente fosse impedido ou não pudesse brigar pelo pleito. Dessa vez, um dos mais conhecidos e respeitados coronéis da Polícia Militar do estado do Ceará decidiu ser corajoso e fazer a sua exposição de argumentos através do Facebook. O apelo quase dramático teve grande repercussão nas redes sociais e aparece um dia depois de uma antiga notícia envolvendo Gomes voltar a repercutir, a de que ele disse que o juiz Federal Sérgio Moro seria condenado à morte caso estivesse a agir na justiça dos Estados Unidos. Moro coordena a Lava-Jato, operação que fez Lula virar réu por obstrução de justiça na semana passada.

O representante da PM solicitou que o político sofresse um tratamento urgente contra drogados e que sua competência política fosse revista.

Publicidade

Para muitas pessoas, o policial apenas estava sendo irônico com as recentes polêmicas falas do ex-marido da atriz Patrícia Pillar. "Ciro foi um bom governador para a PM. Depois das drogas, tornou-se um inimigo da instituição”, diz o representante dos militares na publicação que está dando o que falar na internet. Em seguida, o coronel diz que reza para Deus que a família do ex-governador consiga resolver a situação o mais rápido possível, quase pedindo que ele evite a candidatura à presidência em 2018.  #Governo #Crime