De acordo com informações da Coluna Painel, publicada pelo jornal 'Folha de São Paulo', a Central Única dos Trabalhadores, a CUT, mandou avisar o Partido dos Trabalhadores (PT), que não tem dinheiro para levar manifestantes para apoiar a presidente afastada Dilma Rousseff em Brasília. Na votação no Senado Federal que gerou o afastamento de Dilma, a petista teve muitos militantes protestando na Esplanada dos Ministérios. Graças à crise no país, até mesmo os movimentos sociais bancados durante anos pelo #PT estão sem dinheiro. A CUT, segundo a 'Folha de São Paulo', não foi a única sigla de movimento social que disse não para levar militantes até tão longe. 

A CUT até sugeriu que o próprio PT ajudasse a pagar a conta e não faltou criatividade em dizer como isso seria feito.

Publicidade
Publicidade

Houve sugestões até de vaquinha entre os Senadores aguerridos pela defesa de Rousseff, como Lindbergh Farias, Vanessa Grazziotin e Gleisi Hoffmann. A vaquinha não deu tão certo e sobrou então recorrer ao crowdfunding que custeou as viagens da presidente afastada até agora. O dinheiro agora seria usado para bancar os ônibus que levarão manifestantes a Brasília.

Segundo a 'Folha de São Paulo',  Os movimentos argumentam que, depois de segunda-feira, a petista não terá mais motivos para rodar o país, por isso, não precisaria de dinheiro.  Os poucos militantes que confirmaram a presença são os de própria Brasília e de cidades mais bem desenvolvidas economicamente, como São Paulo e Rio de Janeiro. 

Enquanto os petistas contam as moedas para ver o que é possível fazer, o presidente em exercício Michel Temer, do PMDB, já pensa em como será o dia seguinte.

Publicidade

Ele fará um pronunciamento curto em rede nacional de rádio e televisão. Nesse pronunciamento, com previsão de duração de cinco minutos, o peemedebista falará da herança maldita de Dilma, mas focará na positividade que dá para melhorar, mesmo que isso seja uma missão muito complicada. Temer pedirá a confiança da população e que todos fiquem mais otimistas com a economia.  #Impeachment