Dilma Rousseff anunciou que participará da sessão de julgamento do #Impeachment e que fará sua defesa pessoalmente. Para isso, senadores do PT que a defendem na comissão especial, se reuniram com a petista para instruir uma espécie de ‘treinamento’ sobre o que falar ou como se comportar.

Os senadores vão se reunir novamente na próxima semana, a fim de preparar uma lista de perguntas que Dilma deverá responder em julgamento. A sessão começa dia 25, mas Dilma estará presente dia 29 de agosto, data que Michel Temer e apoiadores do impeachment, defendem como o limite para o julgamento.

A reunião

Os senadores Humberto Costa, Paulo Rocha e José Pimentel, foram até o Palácio da Alvorada conversar com Dilma e concluíram que ela está preparada para encarar a casa lotada no dia do seu julgamento.

Publicidade
Publicidade

A sessão deve repercutir em dezenas de países, pois a imprensa internacional estará presente no Senado.

Humberto Costa acredita que, dependendo da forma como Dilma expor suas repostas, poderá conquistar alguns votos dos senadores presentes, que definirão o seu destino como último passo antes do veredito final. Costa também disse que Dilma não está preocupada com a possibilidade de ser rebatida pelos opositores, mesmo após alegar que o processo contra ela é injusto e que não houve crime cometido em seu governo.

Já os senadores opositores ao governo de Dilma, veem com bons olhos sua presença no Congresso, pois, além de confrontá-la com as acusações que são objeto do processo do impeachment, também poderão, mais uma vez, provar que não existe golpe, pois além do impeachment ter previsão legal e ser fiscalizado pelo STF, Dilma estará se defendendo pessoalmente no julgamento.

Publicidade

Com isso, o líder do PSDB no Senado, Cássio Cunha Lima, declarou que acha ótimo que Dilma tenha decidido comparecer ao seu próprio julgamento, pois ela mesma destruirá a tese de que é vítima de um golpe, uma vez que não existe golpe se a suposta ‘golpeada' tem o direito de estar presente em seu próprio julgamento, exercendo seu direito à ampla defesa. #Dilma Rousseff #Senado Federal