A presidente afastada #Dilma Rousseff está preparando uma carta para apresentar hoje, 16 de agosto, direcionada ao Senado e também a todo o povo brasileiro. A carta deve ser lida durante a tarde no Palácio da Alvorada e foi escrita pela própria presidente afastada.

O teor dela visa conseguir apoio dos senadores que votaram a favor do #Impeachment e rever esse quadro, fazendo com que ela permaneça exercendo seu cargo na presidência. Apesar de o conteúdo não ter sido totalmente divulgado – apenas em partes -, além de conseguir votos a seu favor, pretende conseguir também o apoio da população.

Para isso, na carta será proposto que seja feito um plebiscito para decidir se as eleições presidenciais devem ou não serem adiantadas. 

Já José Medeiros acredita que a carta não terá efeito algum, uma vez que ela teve bastante tempo para se comunicar e decidiu fazer isso apenas nos momentos finais.

Publicidade
Publicidade

O senador Eunício Oliveira afirma que a proposta de eleições gerais acaba se tornando inviável, por se tratar de uma PEC, e que precisa ser aprovada no Senado e na Câmara, sendo que o tempo não é suficiente e as eleições não teriam sentido.

Apesar dos comentários dos senadores, o documento vem sendo analisado pelos aliados de Dilma para que possa ser apresentado, e deve abordar temas como “golpe”.

O andamento do processo de impeachment

O processo, que se iniciou em 2 de dezembro de 2015, com a aceitação da denúncia de crime de responsabilidade fiscal, já passou por diversas etapas, como elaboração de relatórios de defesa, entre outras. A última ocorreu na semana passada, quando a maior parte dos senadores votaram pela continuidade do processo de impeachment.

A próxima etapa está prevista para o dia 25, quando deve ocorrer o julgamento final do Senado, definindo se Dilma Rousseff deve ou não ser afastada, e se Michel Temer assume de vez a presidência.

Publicidade

Com a aproximação do final do processo de impeachment, a carta está sendo usada como um recurso a mais a favor da defesa da presidente afastada. Mas, mesmo ocorrendo a leitura dessa, não deve ocorrer alteração na data já programada para o julgamento final. #PT