Nesta segunda-feira, 29, a presidente afastada Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT), esteve no Senado Federal para se defender no julgamento do processo de #Impeachment. Em dado momento, a companheira política do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva exibiu uma planilha com dados de seu governo. Ela apontou para uma forma geométrica e acabou se confundindo. "Olha aqui, o que temos, neste quadrado, não, não é isso, qual o nome mesmo, é... retângulo", disse a presidente fazendo os Congressistas rirem bastante.

A petista enfrenta um processo longo de impeachment. Já são nove meses de uma análise que deve ter fim nos próximos dias.

Publicidade
Publicidade

Acusada de cometer as pedaladas fiscais, a presidente nega que seja responsável pelo chamado crime de responsabilidade. Até o fechamento desta reportagem, às 22h, Rousseff ainda continuava falando no Senado. Ela chegou ao Congresso Nacional às 9h e teve dificuldades para responder muitas das perguntas. Não há qualquer previsão para que acabe as perguntas dos Senadores.

Ainda estão previstas perguntas dos advogados de defesa, o ex-Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e de acusação, a professora da Universidade de São Paulo, Janaína Paschoal. Esta disse que não quer qualquer embate com Dilma, já que entende que ela tem todo o direito de se defender amplamente, mas que o destino dela praticamente já foi sagrado. A derrota de Dilma é praticamente uma unanimidade no Senado. Quem tenta chutar um placar arrisca pelo menos 60, dos 81 Senadores, posicionando-se claramente contra a companheira de Lula.

Publicidade

Para que haja a deposição é necessário um número alto de votos, porém menor do que esse apontado anteriormente, o de 54. No dia 12 de maio, quando os Congressistas sagraram o afastamento de Rousseff já tinham sido 55 os Senadores que votaram contra ela. Em sua defesa, Dilma mais uma vez disse que está sendo vítima de um "golpe parlamentar" orquestrado pelo deputado Eduardo Cunha. 

Veja o vídeo que mostra o momento da confusão mental da presidente afastada:

#PT #Dilma Rousseff