Segundo aliados da presidente afastada Dilma Rousseff, todos os preparativos para o seu comparecimento ao #Senado Federal já foram providenciados. A petista vai se apresentar no dia 29/08 e pretende esclarecer em definitivo todas as acusações que investem contra ela. Logo que a presidente confirmou presença no Congresso para se defender do processo de #Impeachment, a bancada do Partido dos Trabalhadores foi imediatamente tratar de auxiliar a recepção e a organização do local em que Dilma deverá permanecer durante os intervalos do julgamento.

Os Senadores alegam que, naquela ocasião, foi oferecido à Dilma, em decorrência do processo que tramita em seu desfavor, uma espécie de 'treino' antecipado. A intenção era deixá-la apta para responder de forma ordenada a todas as questões que possam equivocá-la.

Publicidade
Publicidade

Foram preparados roteiros com algumas perguntas. Conforme informações publicadas no jornal "Metropoles", estiveram presentes no Palácio do Alvorada para instruí-la os seguintes senadores: Humberto Costa (PE), Paulo Rocha (PA) e José Pimentel (CE). Ainda segundo o jornal os parlamentares dialogaram com a petista sobre o layout, ou seja, o formato da sessão e como serão os procedimentos do julgamento que será conduzido pelo ministro Ricardo Lewandowski, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF).

Para o senador Humberto Costa, Dilma está devidamente preparada para comparecer ao Senado e responder a todas as perguntas em relação ao ‘impeachment'. A presidente segue sob a acusação de crime de responsabilidade. O líder petista ainda acrescentou que a presença da imprensa, tanto nacional quanto internacional para a transmissão do julgamento, beneficia, pois, conforme for, a publicação da noticia poderá influenciar na decisão de alguns senadores na véspera da votação.

Publicidade

Por fim o senador argumentou que a presença da presidente será de suma importância para colocar "um ponto definitivo na narrativa desse processo", ressaltando que Dilma vai dizer diante de todos, "em viva-voz, que não cometeu nenhuma irregularidade", reforçando "que é injusto” o impeachment. #Dilma Rousseff