Nessa semana que irá começar finalmente começa a votação oficial do #Impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. Os Senadores terão que responder "sim" ou "não" se acreditam que o melhor é a primeira mulher do país ser ou não deposta do maior cargo da política brasileira. Esse processo, no entanto, começou ainda no final do ano ano passado. Por se tratar de um momento histórico para o país, muita gente opinou sobre o que aconteceria, até mesmo os chamados "videntes" ou "paranormais", mas será que algum deles acertou? O bombardeio de informações fez com que um Pai de Santo contratado pelo próprio Partido dos Trabalhadores (#PT) anunciasse que nem magia negra seria capaz de fazer Dilma vencer essa parada.

Publicidade
Publicidade

Em março, em uma reportagem publicada pelo 'Diário do Poder', o Pai de Santo disse que viu que a presidente não chegaria até ao final do processo de impeachment, renunciando pouco antes de acontecer a votação histórica. Como essa ainda não aconteceu, ainda há tempo disso ocorrer. Na ocasião, o Pai de Santo avisou que a renúncia aconteceria no mês de agosto e que ele via Dilma completamente perturbada, com a possibilidade até de cometer suicídio. O religioso disse que ficou muito preocupado com sua própria previsão e lembrou de como é a personalidade de Rousseff, sempre muito dura. Ele avisou que ela ficaria se culpando por erros e pelo que deixou de fazer para garantir a presidência. 

Diferente do Pai de Santo, Robério de Ogum não acredita na possibilidade de suicídio, lembrando que a presidente é uma mulher forte, sendo, inclusive, torturada pelo regime militar.

Publicidade

Ele, no entanto, concorda com uma coisa, a presidente irá renunciar pouco antes da votação. Essa seria uma maneira de dizer historicamente que ela não foi deposta, mas sim renunciou. Apesar disso, o Senado Federal ainda pode tirar os seus direitos políticos por oito anos. No dia 29, a petista confirmou que irá ao Senado para fazer um pronunciamento. Será que é ali que ela irá renunciar? Muitos apostam que sim.  #Dilma Rousseff