Um pronunciamento final, já está sendo preparado pela presidente afastada Dilma Rousseff (pós-#Impeachment), segundo informações da revista Veja. Nos bastidores, a petista perdeu definitivamente as esperanças de continuar na presidência. O histórico discurso final deverá ocorrer logo após o resultado final da votação do processo de impeachment e será alicerçado no argumento de que o processo democrático está sendo morto, por um moderno tipo de golpe de estado. O local onde a petista falará pela última vez em Brasília será o Palácio do Alvorada, onde Dilma residiu nos últimos três meses. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva certamente estará presente assim como aliados e representantes de movimentos sociais simpatizantes do Partido dos Trabalhadores.

Publicidade
Publicidade

O foco do discurso de Dilma será a sua honestidade como política. Mais uma vez ela dirá que nunca desviou dinheiro público. Ela também afirmará que está pagando um alto preço por contrariar interesses e que a partir de agora, o país deve protestar contra a “ruptura institucional” que é a sua saída da presidência.

Dilma conversou com diversos senadores por telefone na terça

Além de ter permanecido 14 horas se defendendo no Senado Federal na última segunda-feira. No dia seguinte, a petista ainda ligou e conversou de forma particular com diversos senadores. O principal pedido de Dilma era o de que ela não devia ser condenada sem provas.

#Lula também deu seu apoio até o fim, permanecendo em Brasília. O seu trabalho, era o de conversar com senadores considerados indecisos e também o de conversar com dirigentes de partidos que por ventura, também estivessem em Brasília.

Publicidade

A expectativa do ex-presidente era de contar com o apoio da bancada do estado do Maranhão, principalmente com o apoio de Edson Lobão por sua participação nos dois governos petistas como ministro da pasta de Minas e Energia. Após conversar com o senador, o presidente interino Michel Temer fez pressão e Lobão recuou alegando que não seria possível votar a favor de Dilma. #Dilma Rousseff