A senadora Ana Amélia foi a segunda pessoa a interrogar Dilma Rousseff na manhã dessa segunda-feira, 29. A senadora disse respeitar a biografia de Dilma, mas salientou que não é a trajetória ou vida pessoal da presidente afastada que está sendo julgada, mas sim os crimes cometidos durante o seu governo.

Ana argumentou contra a tese do golpe, dizendo que a Casa julgadora é o Senado e explicitou a legalidade do processo em curso. Dilma, em resposta, reafirmou que é vítima de um golpe, pois, segundo ela, não existe crime cometido em seu governo.

Além disso, Dilma diz que Michel Temer, seu vice-presidente, não foi eleito pelo voto, logo não possui legitimidade para assumir o posto de presidente do Brasil, sendo, segundo palavras da presidente afastada, detentor de um governo usurpador.

Publicidade
Publicidade

A sessão chegou a ser suspensa

Logo que #Dilma Rousseff terminou seu depoimento, cerca de quarenta minutos após iniciá-lo, os senadores da defesa começaram a gritar palavras de apoio e a aplaudi-la. Ricardo Lewandowski já havia destacado a proibição desse tipo de comportamento, bem como tinha repreendido os senadores quando aplaudiram a depoente no momento em que esta chorava. Por não acatarem aos pedidos de ‘silêncio’ emitidos pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, Lewandowski decidiu suspender a sessão, que só retornou cerca de dez minutos depois da pausa.

Antes do interrogatório começar, Lewandowski salientou que espera respeito por parte dos senadores ao se dirigirem à Dilma Rousseff, uma vez que, mesmo em condição de afastada, ainda é a presidente do Brasil. Também deixou claro que o artigo 14 do regimento interno do Senado Federal não seria validado integralmente na presente sessão.

Publicidade

A sessão de hoje deve durar, no mínimo, doze horas. Dilma, entretanto, não ficará o dia todo. A presidente afastada estará liberada após o interrogatório. Após essa fase começam os debates e em seguida, Janaína Paschoal, Miguel Reale Junior e Eduardo Cardozo vão se manifestar antes da votação. Hélio Bicudo, um dos autores do pedido do #Impeachment, não está presente na sessão por motivo de saúde. #Senadora Ana Amélia