Nesse final de semana, muitos petistas começaram a dizer que o governo do presidente em exercício Michel Temer, do PMDB, seria ditatorial por supostamente proibir manifestações políticas durante os jogos olímpicos. Pessoas tiveram que devolver seus cartazes e até foram expulsas de eventos dos jogos, que acontecem no estado do Rio de Janeiro, por realizarem esse tipo de manifestação. Essas pessoas tem sido abordadas por policiais, que apenas estão obedecendo uma norma legal. O que pouca gente sabe é que tal norma não é obra de Temer, mas sim da presidente afastada Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (#PT). 

Uma das condições para o Brasil receber os jogos era justamente essa, que manifestações nos estádios fossem boicotadas pela polícia brasileira.

Publicidade
Publicidade

O item 50 do Comitê Olímpico Internacional ainda estabelece que manifestações de atletas podem fazer eles serem expulsos ou perderem medalhas e marcas durante as competições. O que ocorre agora é que petistas se dizem vítimas de um suposto autoritarismo, que se existe, por incrível que possa parecer a eles, foi imposto pela própria legenda que eles tanto apoiam. 

A lei que faz policiais barrarem torcedores de protestarem, seja contra Dilma ou Temer, é a 13.284 de 2016. Ela foi sancionada no dia 10 de maio, dois dias antes de Rousseff ser afastada pelo Senado Federal. A lei em si é apenas uma atualização de outra sancionada pela mesma mulher em 2012,  quando os protestos também foram barrados nos jogos da Copa do Mundo, que ocorreu dois anos depois. Na época de sua sanção, a lei foi questionada pelo PSDB, que a chamou de inconstitucional.

Publicidade

É preciso lembrar que em todos os países que acontecem os jogos esse tipo de ação acontece. O objetivo é evitar que as manifestações chamem mais atenção do que o próprio esporte, que na Olimpíada acontece apenas de quatro em quatro anos. Entre esses períodos, os cidadãos tem bastante tempo de reivindicar seus direitos. E você, o que acha da lei que proíbe os protestos nos jogos da Olimpíada?  #Dilma Rousseff