A presidente afastada Dilma Rousseff estava acompanhando ao vivo a TV Senado nesta terça-feira, 30, quando o seu advogado de defesa, o ex-Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, falou por mais de uma hora dando argumentos para que a petista não fosse deposta durante o julgamento do processo de #Impeachment. De acordo com informações do jornal 'O Globo', ela ligou para o seu advogado n o meio da tarde para brincar com o fato do petista ter chorado em entrevista dada logo depois da defesa no Senado Federal.

Chorou, hein? — teria disso a presidente afastada ao telefone. O advogado então repetiu parte do que já havia dito à imprensa, dizendo que ficou indignado com a tese da acusação, feita pela professora da Universidade de São Paulo (USP), Janaína Paschoal.

Publicidade
Publicidade

Ele não gostou do fato de Janaína ter sido irônica e pedido desculpa por fazer Dilma sofrer, argumentando que isso seria o melhor para os netos da companheira política do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. " O dia que a pessoa perde a capacidade de se indignar, ela se desumaniza", teria dito o ex-Advogado-Geral da União. 

O choro de Cardozo ganhou grande repercussão na internet, assim como o da própria Janaína Paschoal. Enquanto pedia desculpa para Dilma, ela ia às lágrimas. Momentos de uma história que será muito documentada e repetida nos próximos anos. Humor, brigas e choro fazem parte de uma boa novela. Na segunda-feira, 29, quando falou durante 45 minutos no plenário do Congresso Nacional, Rousseff chorou ao falar dos momentos que considera mais duros em sua vida, a prisão e tortura durante o período do regime militar e a luta contra o câncer. 

De acordo com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, a votação do impeachment não será adiada, permanecendo para esta quarta-feira, 31.

Publicidade

Segundo uma radar feito pelo jornal 'O Estado de São Paulo', 55 Senadores confirmaram que votarão contra a petista, 20 a favor e 6 não responderam. Para a deposição são necessários pelo menos 54 votos. #PT #Dilma Rousseff