Vale tudo para ganha o volta dos paulistanos. Nesta quarta-feira, 24, continuaram as campanhas de rua dos candidatos a prefeito da maior cidade do país, São Paulo. Pelo menos duas pessoas que tentam chegar favoritas ao pleito no primeiro turno recorreram à medidas populares para tentar atrair o voto. O tucano João Doria, por exemplo, novamente apostou em comer alimentos de rua e geralmente voltados à camada mais pobre da sociedade. Após proibir ser fotografado se alimentando, o representante do PSDB mudou de ideia e apareceu com um "guloso" pacote de "coxinhas" fritas nas mãos. O salgadinho é justamente, não por acaso, o apelido que recebe quem costuma ser mais alinhado à direita. 

A postura agora deve ser o carro-chefe do candidato.

Publicidade
Publicidade

Isso porque ele estava sendo muito zoado na internet por fazer cara feia enquanto comia pasteis, bebia café-com-leite e fazia outras coisas vistas como fora do seu padrão. A assessoria do empresário e apresentador tem tentado mudar a imagem dele. Bem alinhado a grupos de empresários, Doria é visto como "engomadinho" demais. Por isso, tem adotado mais recentemente um visual dito como mais "descolado'. Marta Suplicy, que abandonou no último ano o Partido dos Trabalhadores, disputa a prefeitura de São Paulo pelo PMDB, justamente a legenda que é acusada de ajudar a derrubar a presidente afastada Dilma Rousseff (PT) do poder. 

Ela também foi outra que apostou no corpo-a-corpo para tentar ganhar votos. No caso de Suplicy, no entanto, ela preferiu o famoso pão com mortadela de um mercado popular.

Publicidade

A mortadela simboliza a legenda que ela tanto apoiava no passado. Ao devorar o pão, Marta fez cara de raiva, coisa que deve ter deixado Fernando Haddad, do PT, um pouco chateado. Os dois brigam com Celso Russomanno (PRB) entre os preferidos do eleitorado local para irem ao segundo turno das Eleições.

No país inteiro o pleito parece que será o mais disputado de todos os tempos e promete também ter muitas surpresas, já que o tempo de campanha será menor no calendário e na televisão.  #Eleições 2016