O deputado federal #Eduardo Bolsonaro (PSC-SP), foi aplaudido na tarde dessa quinta-feira, 4, quando, em audiência pública da Comissão Especial de Combate à Corrupção, rebateu críticas proferidas pelo deputado Paulo Pimenta (PT-RS) contra o juiz federal, Sérgio Moro, presente na sessão.

Pimenta citou as gravações das ligações de Lula e a condução coercitiva do ex-presidente da república em março, alegando que tais atos foram absurdos e ilegais. Após um tempo proferindo suas críticas, Eduardo Bolsonaro usou a sua oportunidade de fala para rebater o colega da Câmara, alegando que a Lava Jato não é a responsável pela crise política do país, mas sim por retirar a cegueira da população diante da corrupção.

Publicidade
Publicidade

Eduardo ainda é direto ao afirmar que as escutas feitas pela Polícia Federal são legais e aconselhou que, quem não deseja ter sua vida pública exposta, basta não se candidatar a nenhum cargo político. O deputado foi amplamente aplaudido pelos deputados presentes.

Sérgio Moro não quis entrar em detalhes sobre as acusações do petista, mas agradeceu, dentre outras pessoas, o apoio de Eduardo Bolsonaro. Assista ao vídeo abaixo:

 

10 medidas contra a corrupção

Sérgio Moro, bem como Deltan Dallagnol, membros do MPF e membros de outros órgãos de justiça, foram convidados para falar sobre as 10 medidas contra a corrupção na comissão. As medidas se tratam de um projeto apresentado pelo Ministério Público e que, se aprovado em sua integridade, afetará 29 leis do país.

O deputado Onyx Lorenzoni disse que analisarão com cautela e com a participação de todos esses órgãos para que as medidas sejam colocadas em prática sem que haja revogações em massa de outras leis, mas ressaltou que haverá mudanças que ‘desacomodarão’ muita gente acostumada com as facilidades para cometer crimes de corrupção que existe na atualidade.

Publicidade

Sérgio Moro discursou nessa quinta-feira, 4 e Deltan Dallagnol fará sua participação na próxima quarta-feira, 10, mesmo dia em que o Senado decidirá se o impeachment de Dilma irá ou não a julgamento. #Câmara dos Deputados #Sergio Moro