O deputado federal Eduardo Cunha já anunciou que não vai cair sozinho e que antes de morrer vai atirar. De acordo com informações do jornalista Lauro Jardim em reportagem publicada neste domingo, 14, o ex-presidente da Câmara dos deputados já pressiona o presidente em exercício Michel Temer, do #PMDB. O repórter do jornal 'O Globo' disse que um emissário do marido da jornalista Cláudia Cruz mandou uma espécie de emissário para conversar com o peemedebista no Palácio do Jaburu, onde Michel se hospeda até o final do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT).

O peemedebista que está prestes a ganhar efetivamente o cargo de chefe de estado ouviu o recado, que promete muito mistério e demonstraria um certo elo nebuloso entre os dois políticos do PMDB.

Publicidade
Publicidade

"O Eduardo me disse: 'era uma vez cinco amigos que faziam tudo junto, viajavam, faziam negócios.... então, um virou presidente, três viraram ministros e o último foi abandonado'... E que isso não vai ficar assim", teria dito a fonte do jornalista para o homem que tem agora a missão de corrigir os desmandos do governo Dilma, como a crise política e econômica que acabou se estabelecendo no país, levando a índices absurdos de desemprego e inflação. 

O presidente Temer, no entanto, não parecia tão intimidado com o recado do emissário de Cunha. O deputado teria dito a pessoas próximas apenas que o peemedebista teria dito que está fazendo tudo a seu alcance para ajudá-lo. A essa altura, Eduardo poder se candidatar em 2018 ao parlamento já seria uma grande vitória para ele. Além disso, ao que tudo indica, com a cassação se confirmando, ele deixaria o posto de deputado na metade do mandato. 

Também pesa a favor da biografia do político o fato de que Dilma Rousseff deve ser deposta primeiro do que ele.

Publicidade

A votação contra a companheira política do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está prevista para acontecer até o dia 29 de agosto, ocorrendo assim um momento histórico que será lembrado nos livros.  #Eduardo Cunha #Michel Temer