Ocupando os holofotes por conta de ser o prefeito do Rio de Janeiro, cidade-sede das Olimpíadas de 2016, #Eduardo Paes fez um balanço sobre o seu segundo mandato, que se encerra nesse ano. Em entrevista concedida ao jornal Estado de São Paulo nesta quinta, o político vinculado ao PMDB descartou a possibilidade de tentar a Presidência da República, mas não descartou a hipótese de, em 2018, suceder Luiz Fernando Pezão no governo estadual.

"O caminho natural é tentar ser candidato a governador. Deixo a prefeitura em 31 de dezembro e quero ter um ano que vem mais tranquilo", declarou Paes, que também teceu opinião sobre o andamento da Lava-Jato, operação da Polícia Federal para combater a corrupção dentro da Petrobrás.

Publicidade
Publicidade

"Não há nenhum partido que não viva essas dificuldades. Vivemos um período sob suspeita, não tem jeito mesmo, diante de todas essa revelações e de tantos absurdos, a gente fica nessa situação", explicou.

A partir das 20h (de Brasília) da próxima sexta, acontecerá, no Maracanã, a cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos Rio 2016. Para Eduardo Paes, essas duas semanas de competições esportivas serão fundamentais para, assim como ocorreu ao longo da última Copa do Mundo, mostrar que o Brasil tem totais condições de organizar um evento de grande porte e pede para o próprio país para de ficar se colocando em uma posição inferior em relação aos demais povos do mundo.

Ao término da entrevista, foi lembrado que Paes também ficou conhecido por dar declarações polêmicas. Uma delas aconteceu no início das obras para as Olimpíadas, quando disse que o Rio estava dando uma "chinelada na paulistada", uma alusão aos nascidos em São Paulo.

Publicidade

De maneira diplomática, o prefeito disse que, realmente, fala demais em alguns momentos, no entanto garantiu ter o maior respeito pela população do estado mais importante do Brasil e, inclusive, convidou-a para vir até a "Cidade Maravilhosa" para prestigiar os Jogos.

"Quero ver a invasão de paulistas aqui, um momento imperdível. E falar de paulistada não é pejorativo, pelo amor de Deus, tenho irmãos e sobrinhos que moram em São Paulo", concluiu o peemedebista carioca.

Tendo 46 anos, Eduardo Paes está à frente da prefeitura do Rio de Janeiro desde 2009. Casado com com Cristine Assed e pai de dois filhos (Isabela e Bernardo), formou-se advogado pela PUC (Pontifícia Universidade Católica) da capital fluminense e, dentre vários cargos políticos, foi Secretário Estadual de Turismo e Lazer durante o Governo Sérgio Cabral, além de, entre 1999 a 2007, ser deputado federal pelo Rio. #Rio2016 #Política