A presidente afastada #Dilma Rousseff participou, nesta terça-feira, 23, de um ato em São Paulo organizado pela Frente Brasil Popular em defesa da democracia e contra o processo de #Impeachment. Durante o seu discurso, Dilma voltou a afirmar que irá ao Senado Federal na próxima segunda, dia 29, durante a fase do julgamento final que pode tirá-la em definitivo da presidência.

Oficialmente, o julgamento se inicia na próxima quinta-feira, às 9h, quando as testemunhas começam a ser ouvidas pelos senadores. A defesa indicou seis testemunhas, enquanto a acusação apenas dois. Está prevista para quinta e sexta-feira a parte dos depoimentos das testemunhas.

Publicidade
Publicidade

Na segunda-feira, a presidente deve ser ouvida na tribuna do Senado.

"Não vou no Senado por acreditar nos meus belos olhos. Eu irei lá porque acredito na democracia do nosso país. Acredito que precisamos evitar que esse mal se torne um mal ainda maior. É preciso enfrentar essa questão", salientou Dilma.

Durante o evento, Dilma voltou a reforçar sua trajetória de luta e garantiu ser inocente. Ela lembrou a "tortura" e o "câncer" para justificar sua luta até o fim do processo do impeachment.

"Para mim, esse processo é muito duro. Eu sou inocente e o que estão fazendo comigo é uma grande injustiça. A democracia é muito valiosa para não lutarmos por ela. Lutei contra a tortura, contra o câncer, lutei a minha vida inteira e seguirei agora", resumiu.