Além de ter tido o segundo presidente cassado desde a redemocratização, o Brasil vive um outro fato curioso nesta quarta-feira, 31. Terá, pela primeira vez em sua história, três presidentes da República em um período de 24 horas. Primeiro, Dilma Rousseff amanheceu ainda como presidente afastada. Por volta das 14h, o seu afastamento definitivo se confirmou no Senado Federal pela votação de 61 a 20 - #Michel Temer, oficialmente, assumirá ainda durante a tarde.

No entanto, Temer tem viagem marcada para a China ainda nesta quarta-feira. Já na condição de presidente da República, cujo mandato irá normalmente até 2018, o peemedebista ex-vice-presidente de #Dilma Rousseff viajará ao país asiático para a reunião do G-20, que ocorre nos primeiros dias de setembro.

Publicidade
Publicidade

Desta forma, Temer repassa o cargo, em caráter interino, ao presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ) - o primeiro da linha sucessória.

"O importante da Câmara assumir a presidência representa o fim de um ciclo e o fim do impedimento, dando condições ao presidente Michel Temer ter autonomia para comandar o país e tirar o Brasil da crise", comentou Maia, em entrevista à GloboNews na tarde desta quarta-feira. No entanto, o deputado descartou a possibilidade de tomar alguma medida brusca e disse que exercerá a presidência de forma protocolar.

"Falei que não vou tomar nenhuma decisão. Sou muito mais Marco Maciel do que qualquer outra coisa. Não tomarei decisões a não ser aquelas que precisem da posição do presidente para que possa tomar encaminhamento", completou Maia, em alusão ao ex-vice do governo de Fernando Henrique Cardoso (1995-2003).

Publicidade

O retorno de Temer do continente asiático está previsto para o dia 5, o que fará com que Rodrigo Maia comande o país até a próxima semana. Além da reunião do G-20, o novo presidente da República participará de reuniões com investidores na China e também de um seminário no dia 2, em Xangai, com a participação do empresariado brasileiro. O primeiro ato de maior proporção de Michel Temer em solo brasileiro deverá ser no desfile de 7 de setembro. #Impeachment