A bancada do Partido dos Trabalhadores (PT) na câmara dos deputados está revoltada com a possibilidade de extinção da legenda. Neste domingo, 07, os políticos publicaram uma nota criticando a atuação do Ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF). O magistrado que também é presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) foi chamado de "militante da direita brasileira" depois que decidiu abrir uma investigação que pode culminar com a extinção da própria legenda que elegeu o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a presidente afastada Dilma Rousseff. A apuração visa descobrir se o #PT recebeu dinheiro de empreiteiras investigadas na Operação Lava-Jato para bancar suas campanhas eleitorais.

Publicidade
Publicidade

Caso seja comprovado a atuação ilícita, o partido poderia ser retirado do mapa. 

A nota diz que Gilmar Mendes decidiu tirar de vez a toga de magistrado para se mostrar um completo militante. O Partido de Dilma sempre teve uma certa implicância com o Ministro, que também por muitas vezes mostrou desconforto com as táticas usadas pelo clube partidário de Lula. A nota do partido diz ainda que o Ministro fecha os olhos para outras legendas, fazendo o que se chama de Justiça da "seletividade". A sigla cita diversas outras, como o PSDB e o PP, que também teriam recebido dinheiro de empresas investigadas na Lava-Jato, mas que não foram ameaçadas de extinção. A Lava-Jato está há mais de dois anos em vigor, mas até agora novos fatos vão aparecendo, sempre surpreendendo os brasileiros. 

O PT argumenta ainda que uma das provas que mostra que Gilmar Mendes milita à direita é o fato de ter sido indicado ao cargo pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Publicidade

O Ministro, o Supremo e o Tribunal Superior Eleitoral ainda não comentaram as acusações feitas pela legenda, até porque essas foram feitas estrategicamente em um fim de semana. Enquanto o Partido dos Trabalhadores se vitimiza, novos escândalos envolvendo nomes de seu staff, até mesmo o do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.. #Governo #Impeachment