Os ânimos esquentaram nessa tarde de quarta-feira (24). Um discurso, na Câmara dos Deputados, no Salão Verde, foi suficiente para demonstrar a irritabilidade do ex-senador Valdir Amaral ao revelar nomes de autoridades políticas, inclusive, o presidente interino #Michel Temer.

O desabafo se deve à derrubada de uma de suas mansões, em uma localização ainda não escriturada em Brasília. Naquela tarde, o ex-senador estava presente, desfrutando da sua área de lazer quando, de repente, foi surpreendido pela Agência de Fiscalização do Distrito Federal (Agefis), derrubando tudo que estava pela frente.

Logo no dia seguinte, Amaral foi ao Congresso Nacional e, ao avistar uma equipe de jornalistas, sem muito rodeio começou a falar, sempre ressaltando que estava revoltado com o acontecido, demonstrando muito nervosismo para com a situação.

Publicidade
Publicidade

A manchete com as informações foram administradas pelo jornal "Metropoles" o qual evidenciou que, ao ser tomado pela fúria, Valdir Amaral se prestou a acusar o governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg (PSB) junto ao seu vice-governador Tadeu Filippelli (PMDB), de "ladrões".

Imediatamente, continuou com mais gritos e revelação sobre o esquema de #Corrupção referenciando alguns parlamentares. A denúncia foi tão séria que até o nome de Michel Temer foi citado, todavia, as informações foram registradas pela equipe jornalística, inclusive o vídeo, com a reportagem completa, encontra-se disponível no final da notícia.

Valmir Amaral enfatizou que o Governo Federal precisa contratar pessoas de caráter honesto para trabalhar em sua companhia, ou "haverá uma revolução", comunicando Temer. Também apontou Rodrigo Rollemberg como usuário de drogas e de fumar maconha.

Publicidade

Retrucando ainda que o Governador de Brasília não tem recursos para as áreas da educação e saúde, mas "enche o bolso dos empresários de ônibus de dinheiro", reclamou Amaral.

No mesmo sentido, o ex-parlamentar atingiu o atual Ministro Eliseu Padilha (PMDB), exclamando que: "O chefe da Casa Civil é ladrãozão". Usufruiu de R$ 200 mil do meu pai, na época quando era "Ministro dos Transportes", esbravejou Amaral.

Quanto ao ex-vice-governador, Tadeu Filippelli, também citado pelo ex-senador, encontra-se no cargo de assessor especial direcionado à Presidência da República. 

  #Governo