Na noite desta terça-feira, 02, a Coluna Esplanada do site UOL noticiou uma das maiores polêmicas recentes envolvendo políticos brasileiros. Uma jovem de 22 anos, evangélica e militante do Partido Social Cristão (PSC), acusou o deputado federal Pastor Marco Feliciano de tentativa de estupro e assédio sexual. O jornalista Leonardo Mazzini, que assina a reportagem, diz que se encontrou com a acusadora, que mostrou áudios e mensagens que ela atribuiu a Feliciano. Em uma delas, o deputado teria dito o seguinte: "Para onde você tentar fugir, eu vou atrás de você". A mensagem continua e o político teria questionado sobre o que a garota acreditava que ele teria mais saudade.

Publicidade
Publicidade

"De te agarrar e ficar olhando sua linda cara de choro gritando 'não'", concluiu esse trecho do texto. 

Após a jovem fazer as denúncias, ela acabou recuando e desaparecendo. Feliciano não só negou as acusações, como também revelou que colocaria seu jurídico para cuidar da situação e que não falaria mais sobre o caso. Antes de desaparecer, no entanto, a jovem evangélica fez várias especulações. Youtuber, ela disse que após o caso uma página sua no Facebook, que teria mais de 200 mil seguidores, acabou sendo misteriosamente retirada do ar. Ela informou que passou a ser amiga do deputado federal porque os dois frequentam a mesma igreja. Uma das agressões, segundo a jovem, teria ocorrido no apartamento funcional de Feliciano, na cidade de Brasília. 

A militante do PSC diz que o parlamentar teria proposto à ela para ser sua amante e com isso ganhar um alto salário do comissionado do partido.

Publicidade

O político é casado e tem três filhas mulheres. Para tentar comprovar o que dizia, a jovem mostrou conversas e mensagens que seriam enviadas pelo político. Muita gente, até mesmo quem não gosta muito do deputado, está achando a história muito estranha, especialmente pela parte das mensagens. Afinal, o político dificilmente não seria tão esperto para fazer provas contra ele mesmo. Feliciano é um dos políticos mais votados do PSC. #Governo #Crime