Há cerca de uma década um nome colocava medo em boa parte do Rio de Janeiro e dava trabalho para a Polícia, o do traficante Fernandinho Beira-Mar. As condenações pelos crimes cometidos por ele nas últimas décadas ultrapassam dois séculos de prisão. Passado o período crítico, a família de Beira-Mar tanta renascer das cinzas. A filha dele, no entanto, Fernanda Izabel da Costa, de 31 anos, tem provocado muita polêmica no município de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Ela, que é formada cirurgiã-dentista tem o sonho de mudar a região onde mora e o país. Para isso, decidiu tentar uma vaga de vereadora em uma das maiores cidades do país. 

Foi justamente onde Beira-Mar nasceu e iniciou no mundo do crime.

Publicidade
Publicidade

Seu nome é o mesmo da comunidade onde ele começou a ficar conhecido em todo o Brasil. O início da jornada política de Fernanda começou ainda em março desse ano, quando ela decidiu se filiar ao Partido Progressista, o PP, conhecido por receber muitos religiosos. Outra coisa que espantou foi a declaração de bens da moro ao Tribunal Superior Eleitoral, o TSE. Mesmo sendo herdeira de um dos homens mais poderosos do estado, ela declarou ter apenas R$ 140 mil. O valor soma uma sala comercial na comunidade do Beira Mar e um carro Hyundai, ainda financiado. O valor do veículo chega a R$ 60 mil. Mesmo sendo na região da Baixada Fluminense, com essa quantia é difícil até comprar uma casa simples, como pode ser observado na consulta de preços do 'Zap Imóveis'. 

Na urna, a filha de um dos dos criadores do Comando Vermelho se apresenta como 'Dra.

Publicidade

Fernanda Costa'. Ela é apoiada por um dos nomes políticos mais conhecidos da região, o deputado estadual José Camilo Zito, que tentará pela quarta vez chegar ao cargo de prefeito. Ele foi condenado em 2012 por improbidade administrativa. O candidato é acusado de vender imóveis que pertenciam ao município sem licitação. As vendas ocorreram no ano de 1999. Com a desapropriação e venda dos imóveis, foi construído um shopping na Rodovia Washington Luís.  #Governo #Eleições 2016