Nesta quinta-feira, 04, imagens da filha do presidente americano Barack Obama, Sasha, foram divulgadas pela imprensa dos Estados Unidos. O caso não deixa de ser um golpe de marketing da campanha eleitoral de Hillary Clinton, apoiada por Obama e que faz discursos para empoderar as mulheres. Nas imagens, Sasha aparece trabalhando como caixa em um restaurante especializado em frutos do mar no estado de Massachusetts. Aos quinze anos, Sasha é a filha mais nova de Barack Obama e está de férias na escola. Além de realizar os pagamentos do restaurante, a filha do presidente ainda serve mesas. Tudo para dizer que ninguém é melhor do que ninguém. 

A menina não ganha muito dinheiro por isso.

Publicidade
Publicidade

De acordo com a mídia americana, por cada hora de trabalho ela recebe cerca de R$ 38, o que pode chegar a R$ 300 diários, caso ela complete jornadas de até oito horas. Esse é o salário médio de quem realiza essas funções no país. O valor convertido para dólar é abaixo dos 3 mil, o que para o padrão americano é viver sem dificuldades, mas longe de riquezas. Sasha, é claro, caso quisesse, não precisaria mover uma palha para viver. Ela mora em um dos prédios mais luxuosos do mundo, a Casablanca, mas decidiu que era preciso mostrar que também é esforçada. 

Para sua segurança, o Serviço americano fica vigiando tudo de perto. Enquanto Sasha luta duro no restaurante, a filha da presidente afastada Dilma Rousseff, bem mais velha que a adolescente, usa oito carros oficiais à sua disposição para se movimentar pelo Rio Grande do Sul.

Publicidade

A Revista Isto É chegou a dizer que o ato feito por Paula era ilegal e que ela poderia ter que ressarcir os cofres públicos. A revista chegou a fotografar a herdeira da representante do Partido dos Trabalhadores (PT) indo até a petshops com os carros oficiais e agentes do governo. 

A mãe de Paula, Dilma, não gostou da denúncia. Em nota, Dilma diz que a filha está exercendo um direito da constituição e que processaria a revista de novo. A publicação já havia sido processada por insinuar que ela estava louca.  #Eleições #Dilma Rousseff