O deputado Flávio Bolsonaro, que representa o PSC na corrida eleitoral pela Prefeitura do Rio de Janeiro, assustou até mesmo os concorrentes, quando na noite desta quinta-feira, 25, teve uma mal-estar no debate eleitoral ao vivo da TV Bandeirantes. Ele falaria pela primeira vez na atração, quando começou a ameaçar cair no palco. De acordo com informações de bastidores, o deputado foi intoxicado. A equipe de Bolsonaro também teria passado mal. Os assessores acreditam que uma refeição tenha feito mal a todos que a comeram. Outras pessoas da equipe tiveram os mesmos sintomas de Flávio. Já se fala que o caso pode virar de Polícia. Isso porque além do quase desmaio do candidato, houve muita discussão nos bastidores.

Publicidade
Publicidade

Jandira Feghali, do Partido Comunista do Brasil, que é médica, chegou a oferecer ajuda para Flávio. No entanto, o pai dele, o deputado federal Jair, não aceitou. Ele insinuou que Jandira poderia matar o filho dele, dando veneno para o rapaz. Ela o chamou de réu do estupro. Jair então continuou e disse a mesma frase que fez no passado contra a deputada Maria do Rosário, do Partido dos Trabalhadores, a de que Jandira não merecia ser estuprada.

Flávio saiu do hospital na manhã desta sexta-feira, 26, depois de ter feito vários exames. Após deixar a unidade, por meio de nota, Flávio pediu desculpa aos candidatos por ter sido retirado do debate sem poder falar aos cariocas. Ele ainda agradeceu à Jandira por ter oferecido ajuda e disse que haverá novas oportunidades para que haja a exposição de suas ideias.

Publicidade

Feghali durante o debate chegou a usar o fato politicamente, recebendo bastante críticas nas redes sociais. 

De acordo com pesquisas divulgadas nesta sexta, o embate no Rio está disputadíssimo. Em primeiro lugar, com quase 30% aparece Marcelo Crivella. No segundo lugar disputam três candidatos, todos com em torno de 10%. Entre eles, está o próprio Flávio, que passou mal, e Marcelo Freixo, do PSOL, que não pôde estar no debate devido à uma nova regra do Supremo Tribunal Federal (STF). #Eleições 2016