Nesta semana, um debate político da TV Bandeirantes assustou muitos eleitores. Durante o segundo bloco da conversa com candidatos que tentam a vaga de prefeito no Rio de Janeiro, o candidato Flávio Bolsonaro, do PSC, passou mal. Ele quase desmaiou ao vivo e teve que ser carregado pelos próprios adversários. A partir daí, começaram os boatos e especulações sobre o que teria levado o político a ter tal mal-estar. Oficialmente, através de uma nota, a equipe do político diz que ele foi intoxicado e que outras pessoas da equipe tiveram sintomas parecidos. Ninguém soube explicar, no entanto, como ocorreu essa intoxicação, se antes do candidato ir à Band ou no próprio local. 

O site político 'A Folha Brasil' diz que teve acessos aos exames de sangue de Flávio e que neles foram encontradas substâncias polêmicas.

Publicidade
Publicidade

Uma delas é o Rohypnol, ativo que pode ser observado no famoso 'Boa Noite Cinderela', substância capaz de fazer uma pessoa dormir ou ficar sonolenta por horas. Com essa fórmula, muitos criminosos conseguem fazer com que a vítima passe dados confidências ou simplesmente que ela durma que nem uma pedra. Tudo depende do tamanho da dose empregada. Apesar do Rohypnol também ser encontrado no 'Boa Noite Cinderela', ele também seria comum em alimentos estragados. Por isso, seria praticamente impossível dizer se o envenenamento do político foi acidental ou uma estratégia dos adversários. 

Em entrevista ao site da Revista Veja, o pai de Flávio, o deputado federal Jair Bolsonaro, do PSC, não descartou a possibilidade de envenenamento, mas deu essa versão como pouco provável, já que outras pessoas da equipe sofreram do mesmo mal.

Publicidade

Ele acredita que o filho comeu algo que não caiu bem antes de ir para a Band. Além disso, o candidato teria trabalhado muito naquele dia. O excesso de cansaço fez Flávio, segundo seu pai, "brochar" no ar. No momento em que o filho desfalecia, Jair chegou a brincar com a situação, mandando ele fazer dez flexões. O político ainda impediu Jandira Feghali, do PC do B, que é médica e adversária de Flávio, de atender seu herdeiro.  #Flávio Bolsonaro