Neste domingo, 21, o Brasil encerrou sua participação na Olimpíada do Rio de Janeiro no décimo terceiro lugar no quadro geral das medalhas. Ao todo foram 19 conquistas, sete delas de ouro. A última delas foi conquistada no vôlei masculino, tricampeão olímpico. O esporte e a visibilidade de uma medalha fez com que muita gente decidisse protestar sobre política. Ainda no início do primeiro set, quando o time de Bernardinho enfrentava a Itália, uma mulher apareceu segurando um cartaz com a frase 'Fora Temer - Governo Golpista Não'. Durante a transmissão, o cartaz ficou no ar por alguns segundos, sendo exibido pelo maior canal do país ao vivo, a #Rede Globo de Televisão. 

Ainda no ar, o narrador da transmissão, Luís Roberto, fez questão de dizer que a exibição das imagens não era culpa da Globo, mas sim da empresa que fazia a transmissão oficial.

Publicidade
Publicidade

Não foi só uma única vez que a faixa apareceu, parecendo para muitos telespectadores que era a própria Globo quem realizava o protesto. Segundo Luís Roberto,  a responsabilidade pela captação de imagens é da OBS (Olympic Broadcasting Services). Ao falar isso, ele deixou claro que para o bem ou para o mal, a exibição das imagens não tinha qualquer coisa a ver com o canal. 

Depois de dizer tal coisa na TV, Luís Roberto teve problemas suspeitos na transmissão e chegou a sair do ar por duas vezes. 

Esse tipo de protesto se tornou tão comum nos jogos olímpico que de proibidos no começo, acabaram sendo autorizados no meio da competição. A Lei Geral das Olimpíadas permite as manifestações, por isso, o Comitê Olímpico Internacional foi  obrigado a deixar o povo protestar. A única proibição é que o protesto atrapalhe as demais pessoas que estão assistindo os jogos.

Publicidade

Protestos contra marcas, como Coca-Cola e Globo continuaram proibidos.

A proibição inicial dos protestos chegou a gerar críticas do Ministro da Justiça do governo da presidente afastada Dilma Rousseff, Eugênio Aragão.  “A lei não dá guarida a esse tipo de proibição. A lei deixa bem claro que há direito de manifestação, em seu artigo 28, parágrafo primeiro”, explicou ele.  #Michel Temer #PMDB