Duas figuras políticas conhecidas nacionalmente por envolvimentos em escândalos de #Corrupção e participantes ativos das gestões na presidência de Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-ministro Chefe da Casa Civil, José Dirceu e o ex-deputado federal José Genoíno, tiveram suas condecorações militares retiradas pelo comandante da FAB (Força Aérea Brasileira). A ordem de retirada das condecorações foi dada pelo tenente-brigadeiro, Nivaldo Rossatto, que atendeu a um pedido feito pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. A informação da retirada de condecorações foi publicada no Diário Oficial da União, publicado na última quinta-feira (18), no campo reservado a informações relativas ao corpo de graduados especiais da corporação Militar.

Publicidade
Publicidade

Durante a primeira gestão de Lula na presidência em 2002, José Dirceu havia sido condecorado com a honraria de grande-oficial. Já o ex-deputado federal, José Genoíno, havia sido homenageado com o titulo de comendador.

A retirada das condecorações dos ex-políticos está acontecendo devido a uma linha de raciocínio dura adotada pelo comando das Forças Armadas Brasileiras que vem desde o ano de 2012, literalmente “caçando” condecorações de condenados por escândalos de corrupção.

No mês de julho, a Marinha já havia cassado as medalhas concedidas por Mérito Naval a José Dirceu, José Genoíno e também a outros três políticos: João Paulo Cunha (#PT-SP), Roberto Jefferson (PTB-RJ) e Valdemar Costa Neto (PR-SP), todos que também foram investigados e condenados por envolvimento no esquema de compra de votos instalado na Câmara e no Senado.

Publicidade

O escândalo de compra de votos ficou conhecido nacionalmente como “processo do Mensalão”.

Decreto de cassação de honrarias foi editado no ano 2000 no governo FHC

Durante o mandato do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), no ano 2000, houve uma edição do decreto que determina a cassação de honrarias que, por ventura, são concedidas a pessoas que são condenadas na #Justiça (qualquer foro) por envolvimentos em crimes ou que tiveram seus direitos políticos perdidos ou suspensos por qualquer outro motivo.

José Dirceu, atualmente, está preso e cumpre pena de 23 anos e meio. José Genoíno foi preso em 2013, mas conseguiu receber um indulto de natal por determinação da presidente afastada Dilma Rousseff.