O Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, promete não deixar barato as acusações contra o colega da mais alta corte do país, Dias Toffoli. Esse foi citado pelo empresário Léo Pinheiro, um dos representantes da OAS, empreiteira investigada pela Operação Lava-Jato, em depoimento dado ao procuradores federais. De acordo com a colunista Mônica Bergamo em nota publicada nesta terça-feira, 23, Gilmar disse o seguinte sobre o que ocorre neste momento na magistratura brasileira: "isso é algo mórbido e que merece a mais veemente resposta. Mendes é conhecido por não ter papas na língua ao comentar qualquer assunto.

A opinião de Gilmar sobre Toffoli pode criar uma crise no STF e vem um dia depois do Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, surpreender a todos suspendendo os depoimentos de Léo Pinheiro.

Publicidade
Publicidade

A versão do empresário ainda tinha sido dada como delação preliminar. Para que ele receba o benefício de redução de pena, a Justiça precisa concordar que ele dê mais detalhes e provas sobre tudo o que está falando. Pinheiro revelou que o Ministro do Supremo recebeu seus engenheiros em casa para tratar de uma infiltração. Não há mais detalhes sobre como foi o negócio ou se realmente foi um negócio, já que se fala até em cortesia. 

Gilmar acredita que quem tenha dito à imprensa que Toffoli foi citado foram os próprios procuradores. Além disso, ele critica alguns das Dez Medidas contra a Corrupção propostas pelo Ministério Público Federal. O Ministro disse que o texto pede até a autorização de provas ilícitas, desde que tenha a chamada boa-fé. O representante do Supremo acha isso confuso e soltou o seguinte questionamento.

Publicidade

"Poder ter tortura desde que seja de boa-fé?", disse de forma sempre irônica o Ministro, que insinuou recentemente que a 'Lei da Ficha Limpa' foi feita por bêbados. 

Ele ainda criticou os procuradores da Lava-Jato, que já se mostrariam como justiceiros, agindo sobre qualquer preço para conseguir capturar supostos criminosos, nem que para isso faça-se também o crime.  #gilmar mendes #Dias Toffoli