O blog político 'O Antagonista', um dos de maior credibilidade no Brasil, publicou nesta segunda-feira, 08, um documento que seria um despacho do Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e Presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Gilmar Mendes contra o comportamento de seu colega de magistratura Dias Tóffoli. O também Ministro tem sido muito criticado por conta de sua postura ao analisar diversos processos envolvendo nomes do Partido dos Trabalhadores (PT). O documento relata uma guerra judicial, que pode acarretar até em um possível #Impeachment do Ministro. 

Isso porque no despacho Gilmar Mendes relata o estranhamento pelo fato que provas judiciais teriam sumido.

Publicidade
Publicidade

Curiosamente, o processo em questão que teria sumido as provas é justamente o que pede a cassação da legenda que elegeu o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da presidente afastada Dilma Rousseff, ambos do PT. O Ministro diz que um ofício importante enviado pela corregedoria em 2015, ou seja, no ano passado, estaria desaparecido. Segundo o Presidente do Tribunal Superior Eleitoral, os documentos teriam sido enviados para Dias Toffoli, mas até agora não foram encontrados.

Gilmar Mendes vai além e diz que mesmo com as provas não encontradas não foi tomada até agora qualquer providência em relação ao fato. O Ministro que relatou as contas de Dilma durante o seu governo, já havia expedido ofício à Corregedoria, que encaminhou à Presidência de Toffoli a representação contra o Partido dos Trabalhadores.

Publicidade

O que todo mundo quer saber é o que houve com os documentos. Caso seja provado que Dias Toffoli realmente tem alguma coisa em relação ao desaparecimento dos documentos, ele poderia ter ser questionado no Senado. 

Essa é a maneira que na Constituição brasileira se prevê o processo de impeachment de Ministros da mais alta corte do país. É bom lembrar que Gilmar também é um nome bastante polêmico no judiciário. Neste fim de semana, por exemplo, ele foi chamado pelo PT de "militante da direita brasileira".  #STF #Justiça