A Senadora paranaense Gleisi Hoffmann, eleita pelo Partido dos Trabalhadores (PT), teve nesta segunda-feira, 01, mais um motivo para cair no choro. De acordo com informações do UOL, o Ministério Público Federal em São Paulo denunciou o marido da petista, o ex-ministro do Planejamento Paulo Bernardo por corrupção. Além do Ministro que atuou durante o governo da presidente afastada #Dilma Rousseff, outra 19 pessoas estão sendo investigadas pelo órgão pelo mesmo motivo. Segundo o Ministério Público Federal, os 20 envolvidos são acusados de montarem uma organização que visava o crime dentro da pasta que chefiava, o próprio Planejamento do governo federal. 

Segundo o MPF, há fortes indícios que Paulo Bernardo montou uma organização criminosa dentro do espaço, que teria movimentado valores surreais em propina.

Publicidade
Publicidade

Estima-se que pelo menos R$ 100 milhões tenham sido desviados. Os valores envolvem empréstimos consignados com servidores públicos federais. Uma parte dos valores acabava movimentando a propina sem que a maioria dos servidores, já endividados, percebessem. É bom lembrar que Paulo Bernardo nega as acusações, assim como sua esposa. Gleisi disse que conhece muito bem o marido e que ele sabe que nem ela, nem a mãe dele, aceitariam um comportamento criminoso. 

É a primeira vez que o Ministério Público Federal acusa formalmente o ex-Ministro de Dilma peles crimes de lavagem de dinheiro, corrupção e organização criminosa. Segundo o órgão, existem evidências de que o marido de Gleisi não só participou do esquema,como também era o chefão do esquema de desvio de dinheiro no governo. É bom lembrar que no mês passado Paulo Bernardo chegou a ser preso durante a Operação 'Custo Brasil', deflagrada pela Polícia Federal e que é um dos braços da Lava-Jato. 

O esquema de propina teria funcionado até o ano de 2015, um ano depois de Dilma se reeleger à presidência da república,  e custou mais da metade do faturamento de uma empresa que criou um programa de empréstimo para servidores endividados.  #PT