Nessa terça-feira, 23, o ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, informou, oficialmente, o déficit da saúde pública brasileira. O relatório apresentado pelo Ministério da Saúde mostrou que esse déficit é de R$ 3,5 bilhões e que deveriam ter sido repassados para os hospitais conveniados com o SUS (Sistema Único de Saúde) desde 2012.

Para cumprir com a transparência defendida pelo governo do presidente em exercício, Michel Temer, Geddel comunicou aos jornalistas presentes na entrevista coletiva que tornará esse relatório acessível publicamente para eventuais consultas. O documento foi entregue para Geddel por Ricardo Barros, Ministro da Saúde.

Publicidade
Publicidade

O ministro da Secretaria de Governo deixa claro que os valores que não foram repassados não se referem a construções de novos hospitais ou UPAs, mas que deveriam ter sido destinados à manutenção das unidades já existentes no país.

#Michel Temer enviou ao Congresso Nacional, em junho, uma proposta de emenda constitucional, que visa limitar os gastos dos cofres públicos pelo prazo de vinte anos, permitindo revisão da emenda somente após decorridos dez anos de sua vigência. Após revelar o relatório, Geddel aproveitou para defender a aprovação dessa PEC, que ainda não tem uma comissão formada para começar a ser discutida, mas segundo o ministro, está em fase de aperfeiçoamento. O objetivo é que deputados e senadores aprovem o texto até o final desse ano.

A crise no sistema público de saúde

Os problemas gerados pela falta de repasses ao Sistema Único de Saúde já se estendem há alguns anos, com piora após o início da #Crise econômica nacional.

Publicidade

Esse ano, antes da votação da admissibilidade da abertura do processo de impeachment de Dilma Rousseff, repasses para a saúde, bem como para a educação, precisaram ser reduzidos pelo governo federal.

Estados com menor arrecadação do PIB e que são mais dependentes do governo federal para manter hospitais e unidades básicas de saúde funcionando, são os que mais sofrem com a crise na saúde, como é o caso do Rio de Janeiro e de Manaus. Outros estados, mesmo com a falta de repasse, conseguem, com colaboração de prefeituras e estados, suprir, ainda que de maneira reduzida, parte da demanda de pacientes que necessitam de atendimento na rede pública de saúde. #Dilma Rousseff