O ex-presidente Lula contou mais uma mentira ao povo brasileira. Ele afirmou no início da semana que jamais foi convidado para estar na abertura dos jogos olímpicos do Rio de Janeiro. O companheiro político da presidente afastada #Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (#PT) chegou a se comparar ao personagem vivido pelo ator americano Macaulay Culkin no filme 'Esqueceram de Mim'. Ele lamentou dizendo que não foi convidado para a festa de um evento que ajudou a montar. Em 2009, nos últimos meses do ex-líder sindical no poder, o Comitê Olímpico Internacional confirmou que a cidade do Rio de Janeiro sediaria os jogos. A organização e as obras aconteceram durante o governo de Dilma.

Publicidade
Publicidade

Já o evento em si está sendo realizado já com o presidente em exercício Michel Temer, do PMDB, no poder. 

De acordo com informações do jornalista Cládio Humberto, do Diário do Poder, em reportagem publicada nesta quarta-feira, 17, #Lula teria sido sim convidado. A mentira do petista não demorou muito. Segundo o profissional da mídia, o convite do Comitê Olímpico não só aconteceu, mas como foi oficial, através de um documento escrito. O ex-presidente teria até confirmado que iria na festa, mas como Dilma ficou com medo de ser vaiada, ele desistiu. Rousseff acabou não indo na cerimônia de abertura dos jogos, que aconteceu no Maracanã, deixando as estratégicas vaias apenas para Michel Temer. Dilma e Lula disseram que só iriam à festa se estivessem na posição que eles dizem merecer, a de "honra". 

Além do processo de impeachment, Dilma agora é investigada em um inquérito autorizado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), no qual ela é acusada de tentar obstruir o trabalho da Justiça.

Publicidade

Entenda-se com a investigação feita pelo juiz federal Sérgio Moro, que comanda a Lava-Jato. Fontes do Comitê Organizador confirmaram ao colunista do 'Diário do Poder' o convite a Lula e sua resposta positiva. Além dele, outros ex-presidentes foram chamados, aceitaram, mas depois decidiram não ir no evento com medo da hostilização do povo.