Na tarde dessa segunda-feira, 29, a senadora Vanessa Grazziotin (PC do B/AM), subiu na tribuna para acusar o PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira) de ter comprado o processo do #Impeachment, pagando R$45 mil para que Janaína Paschoal apresentasse o pedido acatado por Eduardo Cunha.

Assim que fez a acusação, os senadores se exaltaram, uma vez que o objetivo da senadora do partido comunista subir à tribuna, era de fazer uma pergunta para #Dilma Rousseff. Ricardo Lewandowski precisou intervir para conter os ânimos dos presentes. O presidente do Supremo também pediu que Vanessa fosse objetiva em sua pergunta a fim de evitar tumultos.

Publicidade
Publicidade

Ao retomar o seu tempo restante de fala, Vanessa aumentou o tom de voz e continuou a acusar o partido do adversário de Dilma nas eleições de 2014.

A advogada Janaína Paschoal ou qualquer senador do PSDB ainda não teve a oportunidade de rebater a acusação de Vanessa. Tal fato pode ocorrer durante a oportunidade de fala na data de hoje ou nos debates que antecederão a votação do impeachment, que acontecerá amanhã, 30.

Interrogatório de Dilma

Ao todo, 47 senadores se inscreveram para questionarem Dilma Rousseff. Além disso, Cardozo, Janaína e Miguel Reale Junior poderão apresentar perguntas. A sessão começou pouco antes das 10h e deve se encerrar por volta da meia noite. Por volta das 19h, a sessão será suspensa para o jantar, devendo retornar após as 20h.

Senadores da oposição declararam que o discurso de Dilma não mudará em nada o resultado da votação final.

Publicidade

Já os senadores aliados, elogiaram a fala da presidente afastada, mas admitiram que não acreditam que o impeachment possa ser revertido.

Lula está presente no Senado para apoiar Dilma Rousseff, juntamente com Chico Buarque e ex-ministros do governo da petista. A imprensa internacional também realiza a cobertura do interrogatório à Dilma, sobretudo meios de comunicação da América Latina. Dilma insiste que é vítima de um golpe de Estado e já foi rebatida por vários senadores, como Ana Amélia, José Medeiros e Aloysio Nunes. #Senado Federal do Brasil