O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, do Partido dos Trabalhadores (PT),  está tentando à reeleição e em plena campanha. No entanto, enquanto isso, como mostra uma reportagem publicada no jornal 'Folha de São Paulo' nesta sexta-feira, 19, ele teve tempo de implementar um polêmico projeto, o 'Ruas de Memória'. A iniciativa visa trocar nomes de ruas, escolas, monumentos ou qualquer coisa que possa lembrar o regime militar. No ano passado, por exemplo, o elevado presidente Costa e Silva mudou de nome, passando para o de outro homem que governou o Brasil, João Goulart. Agora pelo menos vinte ruas da capital devem passar pelo mesmo processo. 

O problema é que há muita gente revoltada e com medo de que isso, na verdade, somente traga problemas.

Publicidade
Publicidade

A Câmara municipal da maior cidade do país já está com cinco projetos de leis de alterações de nomenclaturas para as vias da região. Uma das que já foi alterada é a antiga General Golbery Couto Silva, que passou a se chamar Giuseppe Benito Pegoraro. A maioria das pessoas que reclama não tem nada contra ou a favor dos militares, não em relação a ter ou não um nome de rua com o nome de qualquer um deles. O problema é que cartas podem ser perdidas e muita gente acaba se confundindo até com o próprio local, perdendo-se. 

O jornal diz que entrevistou uma senhora, que não teve nome identificado. Essa disse que os ossinhos do militar que dá o nome de sua rua já evaporaram e que ele participando ou não da chamada "ditadura" não se importa. "Pra quê se apegar no passado?", disse ela à reportagem. Para mudar os nomes das ruas, no entanto, não é tão fácil.

Publicidade

A maioria dos moradores precisa ser a favor. No entanto, a lei não deixa claro se é a maioria de residências ou de fato de pessoas que moram na rua. 

Nomes de praça, por exemplo, não precisam da assinatura de populares. As mudanças estão sendo criticadas também na internet. Militares e grupos de direita acusam o #PT de tentar esconder a história, não importando como essa tenha sido. O que você acha?  #Dilma Rousseff