A crise política no Brasil atinge proporções catastróficas para todos os brasileiros. A votação do #Impeachment já dura mais de 24 horas e deve se arrastar até domingo no Senado. No primeiro dia de votação, em que testemunhas foram ouvidas, muitos senadores entraram em discussão, o que levou o senador #Renan Calheiros (PMDB) a realizar uma palavra de ordem para a votação.

Baixaria durante votação do impeachment no Senado

Durante seu discurso, o presidente Renan Calheiros atacou diretamente a senadora #Gleisi Hoffmann (PT). A senadora disse, no primeiro dia de votação do impeachment, que "nenhum senador tem moral para dar prosseguimento à votação que afasta definitivamente Dilma Rousseff (PT) da presidência".

Publicidade
Publicidade

O discurso da senadora foi ovacionado por muitos e também foi reconhecido como gesto heroico da parte da senadora, que afrontou todos os senadores durante a votação.

Renan Calheiros cobra favor realizado à senadora do PT, durante votação do impeachment

Renan Calheiros terminou sua fala lembrando do favor que realizou para a senadora Gleisi Hoffmann, dizendo que "livrou a senadora e seu marido de um indiciamento na semana passada no STF". Neste momento, o também senador Lindberg Farias começou a dizer que o senador queria tocar fogo antes do pronunciamento. Assim que Renan retoma a fala, Lindberg começa a dizer: "que baixaria Renan! Que baixaria". O senador Renan Calheiros empurra Lindberg que é afastado para trás. 

Senador Renan compara o Senado durante votação que pode afastar Dilma: "parece um hospício"

O senador teve um ataque de histerismo ao dizer que o senado assemelhava-se a um hospício.

Publicidade

E não para por aí, o senador chegou a dizer que a falta de ordem da casa poderia até impedir o pronunciamento de Dilma na segunda-feira (29). Até então, o presidente do Senado não havia demonstrado claramente sua intenção a respeito do impeachment. Após a confusão no Senado, fica claro qual pode ser o voto do senador. Segundo as apurações realizadas, Dilma será afastada com o número necessário de votos dos senadores e deixará a presidência, em um processo que ficará conhecido, para muitos brasileiros, como um golpe político, termo utilizado por aqueles que acreditam na presidente afastada.