O debate eleitoral da TV Bandeirantes realizado na noite desta quinta-feira, 25, passou por momentos de tensão. No início do segundo bloco, o candidato pelo #PSC à prefeitura do Rio de Janeiro, Flávio Bolsonaro, teve um mal-estar. Ele demonstrou que poderia cair a qualquer momento, logo após o entrevistador ter reproduzido uma pergunta de uma carioca. Flávio precisou ser amparado pelos adversários para não cair. Rapidamente, Jandira Feghali, do Partido Comunista do Brasil, e Carlos Roberto Osorio, do PSDB, informaram que Bolsonaro filho não estava bem. O apresentador da TV Bandeirantes então chamou um rápido intervalo.

Na volta, o programa já não tinha mais o representante do PSC, mas os bastidores da atração foram movimentados.

Publicidade
Publicidade

Segundo as primeiras informações, Flávio teve queda de pressão. Após passar mal, ele foi retirado do palco e colocado em um poltrona nos bastidores. Algumas pessoas, desesperadas, começaram a gritar por um médico, até que foram alertadas que Jandira é médica. No entanto, Jair, que estava acompanhando o primeiro debate do filho, não deixou Feghali de tentar ajudar o rapaz. Ele a acusou de tentar matar o político com veneno. "- Fascista, réu por estupro!", revidou a candidata comunista nos bastidores, atrasando a volta do intervalo na Bandeirantes. 

"Você não vai ser estuprada, não. Ela vai dar estricnina para o meu filho", continuou o embate Jair, enquanto o filho via tudo paralisado, demonstrando não estar fisicamente bem. A plateia ficou espantada com o barraco e decidiu tentar ajudar. Jair mandou  então que Flávio fizesse algumas flexões para "animar".

Publicidade

O jeito visto pela produção foi alimentar o candidato. Ele bebeu suco, comeu um pouco e depois começou a andar. 

De acordo com a TV Bandeirantes, Flávio foi levado a um hospital da região. Ele está bem e passa por exames médicos para detectar o que pode ter levado o mal-estar. No entanto, a causa mais provável é realmente a queda de pressão. Ao longo do debate, Jandira tentou usar o episódio politicamente.  #Jair Bolsonaro