A advogada e professora de direito penal, Janaína Paschoal, subiu na tribuna na manhã dessa terça-feira, 30, para expor a acusação contra Dilma e também para se defender das acusações e alegações feitas pela presidente afastada na última segunda-feira, 29.

Muito emocionada, a advogada pediu desculpas para Dilma, não pelo que fez como acusação, mas pelo sofrimento que, involuntariamente, acabou causando. Janaína reconhece que passar por um processo de #Impeachment não é fácil e por isso desculpou-se pelo transtorno vivido por Dilma. A advogada, entretanto, disse que espera que um dia, Dilma possa entender que ela fez isso pensando nos netos da presidente.

Publicidade
Publicidade

Janaína também disse que teria a mesma postura se o presidente fosse um homem e que ninguém deve ser protegido por ser mulher. Dilma alegou que, por ser mulher, foi tratada com preconceito, bem como muitos de seus defensores alegaram que havia preconceito com a primeira presidente mulher do Brasil, o que também teria motivado o pedido de impeachment.

Assista ao momento em que Janaína chorou e se desculpou:

 

Defesa se emociona

As palavras de #Janaína Paschoal impactaram o advogado de defesa. José Eduardo Cardoso não conseguiu segurar o choro, alegando que a acusação foi cruel e injusta ao usar o futuro dos netos de #Dilma Rousseff, como justificativa para condená-la.

Momento em que José Eduardo Cardozo chora:

 

Atuação da defesa de Dilma Rousseff

Durante o interrogatório de Dilma, a senadora Vanessa Grazziotin chegou a acusar Janaína Paschoal de ter sido comprada pelo PSDB para apresentar o pedido do impeachment.

Publicidade

Janaína é coautora do pedido, juntamente com os juristas Hélio Bicudo e Miguel Reale Junior.

Durante a exaltação de Vanessa, o presidente do STF, Ricardo Lewandowski, chegou a repreendê-la. Pouco depois, Gleisi Hoffmann subiu à tribuna e acusou os opositores de serem golpistas. Antes que Dilma respondesse à senadora, Lewandowski pediu que ela se limita-se a falar de seu governo e não do governo interino de Michel Temer. Ainda assim, inúmeras vezes Dilma alegou ser vítima de um golpe e criticou Michel e Eduardo Cunha.