A advogada Janaína Paschoal, conhecida por conta do #Impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (#PT), usou sua conta no Twitter nesta terça-feira, 23, para criticar a suspensão da delação premiada de Léo Pinheiro, ex-executivo de uma das empreiteiras investigadas na Operação Lava-Jato, a OAS. Na delação, divulgada em primeira mão pela Revista Veja, Pinheiro cita pela primeira vez um  Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). O executivo diz que enviou engenheiros até à residência de Dias Toffoli para avaliar uma infiltração, ajudou a contratar uma empresa para a reforma do local e depois chamou os mesmos engenheiros para ver se tudo foi feito da melhor forma possível. 

Na mensagem, a professora da Universidade de São Paulo (USP) diz que o necessário é ir atrás da verdade e que o Ministro do Supremo não é diferente de nenhum dos brasileiros comuns, tendo também que ser investigado.

Publicidade
Publicidade

"Caia quem tiver que cair", diz a mulher que pode ser uma das responsáveis pela retirada de uma presidente do poder. Paschoal lembra ainda que é muito estranho a suspensão do depoimento, especialmente porque uma única delação não é capaz de condenar ninguém, que é preciso ter provas mais palpáveis do que a palavra de que alguém, mas que nem por isso o caso deve deixar de ser investigado. 

A advogada que confrontou José Eduardo Cardozo e as artimanhas do Partido dos Trabalhadores comentou ainda que a matéria da Revista Veja não cita nada que Tem capacidade de colocar culpa criminal em Dias Toffoli, mas que a dúvida do que o delator pode dizer é "deletéria". Para a advogada, um simples vazamento não pode cancelar uma investigação. Ela citou a flexibilização em torno do assunto até do Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, lembrando que a Operação Lava-Jato já teve inúmeros vazamentos, muito exemplificados pelo interesse jornalístico e da sociedade com tudo o que acontece. 

Janaína diz que o melhor caminho do Brasil é tentar curar as feridas e que não faz juízo de valor de Toffoli.  #Janaína Paschoal