Como já era de se prever, o início do julgamento final do processo de #Impeachment de Dilma Rousseff começou com muita discussão no #Senado Federal nesta quinta-feira, 25. A partir de hoje, as testemunhas do processo começam a ser ouvidas pelos senadores - sendo duas de acusação e seis de defesa. No entanto, as velhas discussões de fases anteriores do processo voltaram a entrar em cena na tribuna.

Assim que o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do impeachment no Senado Federal, ministro Ricardo Lewandoski, abriu as discussões na Casa, o líder da base de Dilma Rousseff, senador Lindbergh Farias (PT-RJ) pediu a palavra e questionou o fato de Renan Calheiros (PMDB-AL), presidente do Senado, ter se encontrado e jantado com o presidente interino da República, Michel Temer (PMDB).

Publicidade
Publicidade

Após a ponderação de Lindbergh Farias, alguns senadores favoráveis ao processo de impeachment responderam e salientaram que o presidente Renan Calheiros, por diversas vezes, também esteve com Dilma.

"Isso é uma estratégia deles em procrastinar, em fazer chicana. Renan Calheiros também já esteve com Dilma Rousseff, e isso o senador Lindbergh Farias não fala. Ele nem manifestou o seu voto", frisou Cássio Cunha Lima (PSDB-PB).

"E quantas vezes Renan jantou, almoçou e se reuniu com Dilma? Isso aí é "mimimi". Há crime nisso? Nenhum. Ressuscita ou enterra, e até agora não ressuscitou. Com essa besteira de quem jantou ou não com Dilma é que não vamos resolver nada", disse Magno Malta (PR-ES).

Clima esquenta

O clima esquentou e obrigou Lewandowski a interromper a sessão quando Gleisi Hoffmann (PT-PR) perguntou quem no Senado teria "moral" para julgar Dilma Rousseff.

Publicidade

Exaltado, e fora dos microfones, Ronaldo Caiado (DEM-GO) esbravejou contra Gleisi, que respondeu: "Você é do trabalho escravo!".

Aberta por volta das 9h30, a sessão só tratou de esclarecimentos do processo até o momento, sem que as primeiras testemunhas fossem ouvidas. A expectativa é que pela parte da tarde elas comecem a se manifestar na tribuna do Senado.