O deputado federal, #Jean Wyllys (PSOL-RJ) tornou-se réu do Conselho de Ética da Câmara por conta de uma publicação no Facebook. No dia 12 de junho, Jean publicou um longo texto sobre o ataque terrorista cometido em uma boate voltada para o público LGBT, em Orlando, Estados Unidos.

Segundo o deputado, discursos ‘de ódio’ como os de #Jair Bolsonaro, Marco Feliciano, entre outros nomes citados na publicação, são os responsáveis por ataques de intolerância contra membros do grupo LGBT. O PSC fez uma reclamação contra o deputado, acusando-o de #Quebra de decoro parlamentar, uma vez que a sua opinião poderia incentivar seus simpatizantes a pensarem o mesmo, o que impede a construção de uma sociedade respeitosa.

Publicidade
Publicidade

Veja abaixo a publicação completa que desencadeou o processo contra Jean Wyllys:

 

O processo instaurado contra o deputado poderá custar o seu cargo. Após a instauração, existe um prazo de 90 dias para que o processo seja concluído. Por regra do regimento interno e para manter a imparcialidade, no sorteio dos relatores do processo, foram excluídos deputados do mesmo partido ou do mesmo estado que Jean foi eleito (Rio de Janeiro).

O presidente do Conselho de Ética, José Carlos Araújo, do PR-BA, sorteou três deputados federais, de onde apenas um será escolhido como o relator do processo por quebra de decoro de Jean Wyllys. São eles: o Capitão Augusto (PR-SP), Júlio Delgado (PSB-MG) e Silas Câmara (PRB-AM).

Processo não tem vínculo com o episódio da ‘cuspida’

Embora alguns meios de comunicação tenham se equivocado e informado que Jean seria processado por ter cuspido em Jair Bolsonaro, dia 17 de abril, após votar contra o impeachment de Dilma Rousseff na Câmara, o processo atual não possui qualquer vínculo com esse caso.

Publicidade

Pela quebra de decoro cometida ao cuspir no colega da casa, foi apresentado um pedido de cassação do mesmo, entretanto, a solicitação ainda não foi analisada pela mesa do Conselho de Ética da Câmara dos Deputados. Logo, a quebra de decoro que Jean responderá e assim como já mencionado, é exclusivamente, por conta da publicação feita em sua página oficial do Facebook, dia 12 de junho, mesmo dia do ataque que ceifou mais de 50 vidas na boate Pulse.