Nessa quinta-feira, 18, o candidato à prefeitura de São Paulo, João Doria, declarou que se for eleito, diminuirá de 27 para 20, o número de secretarias municipais. Dentre as exclusões estão a secretaria dos ‘direitos’ LGBT, da igualdade racial, das mulheres, da juventude e do portador de deficiência física.

O candidato, entretanto, deixou claro que as exclusões não significam que essas áreas deixarão de ser atendidas. Assim como fez o presidente Michel Temer, o objetivo da ação é excluir órgãos para conter gastos, mas agregar os excluídos em outras secretarias ou departamentos, de forma que quem era acolhido pela secretaria, não fique desamparado.

Publicidade
Publicidade

João Dória, do #PSDB, também afirmou que parte do dinheiro de sua campanha foi tirado de seu próprio bolso, pois com a nova lei que determina as formas de doações partidárias, obter capital tornou-se mais difícil. O candidato passou a manhã fazendo sua campanha em uma feira livre do Jardins, bairro nobre da capital paulista.

Corrida pela prefeitura fica acirrada

Com o governo polêmico de Fernando Haddad, que investiu demais em ciclovias, corredores de ônibus e até na ‘indústria da multa’, o atual prefeito da cidade encontra-se entre o quarto e quinto lugar nas pesquisas de intenção de votos. Em primeiro lugar está o especialista em direito do consumidor, Celso Russomanno, seguido de Marta Suplicy e Luiza Erundina.

Em todas as pesquisas, oficiais e informais, Russomanno está em primeiro lugar nas intenções de voto, sendo o preferido para suceder Fernando Haddad.

Publicidade

Apesar da popularidade de Marta Suplicy, muita gente ainda liga a senadora ao seu antigo partido, o PT, o que faz com que muitos indecisos estejam irredutíveis quanto a optar em votar na candidata.

Fato parecido acontece com Luiza Erundina, que após seu passado com o Partido dos Trabalhadores, hoje se encontra em um partido socialista, e mesmo na capital paulista, onde há milhões de migrantes de outros estados que simpatizam com a ideologia de esquerda, a maior parte da população não aceita o socialismo. #Eleições em São Paulo #Eleições