Após realizarem o pagamento da fiança milionária, com recursos já apreendidos pela Justiça, o marqueteiro do Partido dos Trabalhadores (PT) e sua esposa deixaram a Superintendência da #Polícia Federal (PF), às 16h39 de hoje, 1º de agosto.

A Justiça determinou o valor de R$ 28,7 milhões para a fiança em favor de Mônica, mesmo valor do montante já apreendido pela Justiça. João Santana teve que efetuar o pagamento da fiança estipulada no valor de R$ 2.756.426,95, também correspondente ao valor que a Justiça apreendeu de suas contas bancárias.

Essa quantia ficará à disposição da Justiça, que só determinará seu destino após a finalização do processo.

Publicidade
Publicidade

No período em que estiverem sob liberdade provisória, o casal não poderá manter contato com nenhum outro réu da operação #Lava Jato, trabalhar, mesmo que indiretamente em campanhas eleitorais no Brasil, e nem mesmo sair do país, devendo comparecer a todos os atos dos processos criminais nos quais estão sendo julgados.

A liberdade provisória foi concedida após ambos confessarem ter recebido recursos ilegais do PT de dívida da campanha presidencial de Dilma Rousseff, em 2010.

Operação Lava Jato 

O casal foi preso na 23ª fase da Lava Jato, Operação Acarajé, sob a acusação de terem cometido crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa.

De acordo com o processo da Lava Jato, existem indícios de que o casal tenha recebido cerca de  US$ 3 milhões em transações que envolvem empresas offshore ligadas à Odebrecht, no período compreendido de 2012 a 2013, e também teriam recebido cerca de US$ 4,5 milhões do engenheiro Zwi Skornicki, também réu na mesma investigação, no período entre 2013 e 2014.

Publicidade

Conforme informações da PF e Ministério Público Federal (MPF), essas quantias em dinheiro  são frutos do pagamento de propina em contratos feitos na Petrobras.

Sérgio Moro afirmou que tanto João Santana quanto Mônica Moura são réus em duas ações. Uma delas já finalizada, e a outra aguardando interrogatórios, e que, por não serem nem políticos e nem proprietários de empreiteira que se beneficiaram do caso de corrupção, estão em "nível inferior". #Dentro da política