O advogado da presidente afastada Dilma Rousseff, José Eduardo Cardozo, não aguentou a pressão do julgamento da petista e foi às lágrimas nesta terça-feira, 30. "Acabou", disse ele para Lindbergh Farias, do Partido dos Trabalhadores (PT) do Rio de Janeiro, que o amparava depois de um discurso de uma hora e meia no Senado Federal. A emoção foi forte veio depois de nove meses de dureza. Ele não foi o único a se mostrar humano nesse dia que pode marcar a data como o último de Dilma como presidente. Durante seu discurso, a advogada de acusação da petista, Janaína Paschoal, também foi só emoção e chegou a pedir desculpas à Rousseff por fazê-la sofrer, mas que era necessário pelos netos da presidente afastada. 

Cardozo chorou justamente quando citou essa fala de Janaína, argumentando que ela não deveria ter envolvido a família da companheira política do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nessa polêmica.

Publicidade
Publicidade

O choro do ex-Ministro da Justiça se tornou tão forte que os jornalistas logo se amontoaram para gravar o momento histórico. Ele, no entanto, não conseguiu dar entrevista por muito tempo. José foi amparado por Gleisi Hoffmann, que sorria ao ver o advogado naquele momento íntimo, que também foi transmitido ao vivo pela TV Senado. 

Veja abaixo o vídeo que mostra o momento que o advogado de Dilma não aguenta mais segurar a emoção e chora diante de dezenas de jornalistas da imprensa brasileira:

“Aquele que perde a emoção diante da injustiça é alguém que se desumanizou. As palavras da acusação foram muito injustas", lamentou o homem que também teve durante o governo Dilma a posição de Advogado-Geral da União.

Publicidade

O choro de Cardozo ficou entre os temas mais comentados da internet. Assim como o próprio processo de impedimento em si, a emoção dele dividiu. Alguns lembravam que seja qual for o resultado, a luta jurídica com o executivo chegava ao fim. Outros diziam que aquilo tudo era medo do que poderia vir à frente. Após a provável deposição de Dilma, Cardozo deve entrar com uma representação no STF.  #Dilma Rousseff #Impeachment