Na noite desta segunda-feira, 08, o juiz federal João Augusto Carneiro Araújo publicou uma liminar que basicamente permite que hajam protestos nos jogos olímpicos do Rio de Janeiro. A sentença diz que o Comitê que organiza a Olimpíada da cidade maravilhosa está proibido de reprimir qualquer manifestação política que estava sendo feita de maneira pacífica, mesmo que essa seja no ambiente dos jogos. Com isso, quem estiver com uma placa contra a presidente afastada #Dilma Rousseff ou contra o presidente em exercício Michel Temer não pode ser barrado ou retirado dos locais de competição. Vídeos mostrando a condução de alguns torcedores por policiais militares ganharam as redes sociais.

Publicidade
Publicidade

Quem também acaba sendo algo da decisão é o governo do estado do Rio de Janeiro e o governo federal. A Justiça ainda determina que essas organizações não impeçam mais manifestações e cita o uso de camisetas, cartazes ou qualquer meio lícito. Um grupo de idosos chegou a ir com camisetas com conotação política em um dos jogos da seleção masculina de futebol. Houve discussão, mas eles acabaram não sendo expulsos do local. O juiz diz que a Procuradoria Regional ficou conhecendo vários casos de cidadão que tiveram seus direitos violados com a prática da organização da Olimpíada. O magistrado cita que uma das medidas usadas pelos policiais e organizadores foi pedir que os torcedores guardassem seus cartazes. Outra medida adotada, o que o juiz chama de piores casos, foi o fato de agentes da Força Nacional de Segurança obrigarem os manifestantes a se retirarem dos estádios. 

É bom lembrar que os ingressos para a Olimpíada são bastante caros.

Publicidade

O magistrado também decidiu multar a organização, dizendo que cada vez que ela descumprir sua ordem, vai ter que pagar um valor alto como multa. O valor citado é o de R$ 10 mil. O Comitê Organizador dos jogos também está sendo alvo de entidades que protegem o consumidor por essa e outras questões, como não ter comida e bebida suficiente apra vender no Parque Olímpico da Barra da Tijuca.  #Michel Temer