A política brasileira anda fervendo, e as cosias ficaram mais quentes quando o ministro do Supremo Tribunal Federal (STFRicardo Lewandowski, em sessão no Senado, chamou o advogado de defesa de Dilma Roussef de "nosso advogado". O fato não passou despercebido pelos internautas e repercutiu bastante nas redes sociais, pois a sessão estava sendo transmitida ao vivo pela TV Senado nesta terça-feira (9). As principais manifestações dos internautas eram relacionadas a neutralidade do ministro Lewandowski em relação a Dilma e ao PT. Para a maioria dos internautas, o ministro é o mais petista entre todos os ministros do STF.

Mesmo com o ministro tendo se justificado em seguida falando "Digo 'nosso' porque é conhecido de todos", a desculpa não caiu muito bem nem convenceu aos internautas, pois o ministro chegou ao Supremo através de indicação do ex-presidente Lula, em 2006, e ultimamente vem sendo bastante criticado por seus julgamentos e decisões judicias realizadas recentemente.

Publicidade
Publicidade

Todos esses fatos só fazem as rivalidades políticas se aflorarem e piorarem ainda mais a situação política do país, pelo menos no que diz respeito a militância, tanto da esquerda quanto de direita.

Com a crise política vivida pelo Brasil nos últimos anos, o país praticamente se dividiu entre duas correntes políticas, a esquerda socialista e a direita neoliberal. A repercussão de fatos como esse só trazem mais divergências e rivalidades. Os ânimos tendem a se acirrarem ainda mais, pois o Senado aprovou a abertura do processo de #Impeachment que prevê a cassação do mandato de Dilma Roussef, que já encontra-se afastada da presidência da República.

Hoje no país, qualquer figura pública precisa pensar e repensar o que fala em público, pois qualquer palavra mencionada que atinja algum dos lados vira um estopim para discussões e bate boca entre grupos políticos rivais.

Publicidade

O ministro simplesmente foi mais um dos que cometeram um ato falho e gerou toda essa polêmica, que tende a ficar maior nos próximos dias, só nos resta acompanhar e ver onde a política brasileira vai parar. #Petrolão #Senado Federal